Fratura por estresse: veja como evitar e tratar

Fratura por estresse: veja como evitar e tratar

É uma pequena fissura óssea decorrente da aplicação de força de impacto excessivo em atividades repetitivas. Representam até 10% das fraturas esportivas e, geralmente, são causadas pela fadiga e desequilíbrio muscular.

Fraturas por estresse são pequenas fissuras em um osso. Elas são decorrentes da aplicação de força de impacto recorrente sobre o osso e, muitas vezes, gerada pelo uso excessivo em atividades como saltar repetidamente ou correr longas distâncias. A fratura por estresse também pode surgir sem carga adicional ou recorrente aplicada. São os casos de pessoas com ossos enfraquecidos por alguma condição, como a osteoporose, em que atividades corriqueiras podem causar a fissura óssea.

Fraturas por estresse são mais comuns nos ossos que sustentam o nosso peso, ou seja, os da perna e do pé, sendo mais recorrentes nos metatarsais. Atletas, como os praticantes de atletismo, balé e recrutas militares que marcham e transportam cargas pesadas por longas distâncias são particularmente suscetíveis, mas qualquer pessoa pode vir a ter uma fratura por estresse decorrente de uma prática de exercícios mal executada, exagerada e não acompanhada de profissionais.

Para diminuir as possibilidades de interromper o treino devido a uma fissura óssea, você deve ter atenção total na frequência do programa de exercícios, no aquecimento pré-treino e na gradação do aumento da carga.

Diagnóstico: Ortopedistas especialistas em pé e tornozelo, às vezes, podem diagnosticar uma fratura por estresse pelo histórico médico e exame físico, mas exames de imagem, muitas vezes, são necessários, pois a condição pode ser muito parecida em seus sintomas com a canelite, quando a dor ocorre na tíbia e com fascite plantar, dor que ocorre na base do calcanhar.

Raios X: Fraturas por estresse, muitas vezes, não são aparentes em radiografias comuns tomadas pouco depois do início da dor. Pode demorar várias semanas – e, às vezes, mais de um mês – para que as radiografias evidenciem as fraturas por estresse.

Ressonância magnética: O melhor exame e mais preciso para detecção de fraturas por estresse, sem dúvida nenhuma, é uma ressonância magnética, que usa um forte campo magnético para produzir imagens detalhadas de suas estruturas internas. Uma ressonância magnética geralmente pode visualizar fraturas por estresse dentro da primeira semana de lesão e pode visualizar lesões por estresse de baixo grau (reações de estresse), antes que uma radiografia comum mostre as mudanças. Este tipo de teste também é mais capaz de distinguir entre fraturas por estresse e lesões nos tecidos moles.

Tratamento: O tratamento, geralmente, é conservador, com imobilizações e repouso. O tipo e duração do tratamento dependerá do osso acometido e da gravidade da lesão, devendo ser instituído por um ortopedista. Se as fraturas por estresse não forem tratadas de maneira correta, podem ocasionar piora e até ser necessária alguma intervenção cirúrgica.

Ver perfil

Matéria Por

Higor Kazumi Moribe

Ortopedia e Traumatologia

CRM/TO 3993 | RQE 1694 | TEOT 12832 | Palmas

Deixar Comentário