Hiperatividade e Desatenção

Hiperatividade é um quadro neurológico crônico caracterizado por agitação, desatenção e impulsividade, tendo um grande impacto na vida escolar e social de crianças ou adolescentes e das pessoas com as quais ele ou ela convive (amigos, pais e professores).

Acredita-se que 3 a 6% da população de crianças de 7 a 14 anos apresentem o transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), sendo mais comum em meninos que meninas. Aproximadamente 2 % persistem com os sintomas na vida adulta. Os sintomas variam de acordo com a idade, assim, em crianças pré-escolares (de 3 a 6 anos), os sintomas são os de hiperatividade, associada à dificuldade em tolerar limites e frustrações. Na idade escolar podemos ter uma combinação variável de sintomas na área da desatenção, hiperatividade e da impulsividade. Na adolescência os sintomas mais evidentes passam a ser a desatenção e a impulsividade.

As principais conseqüências do TDAH são baixo desempenho escolar, dificuldades de relacionamento, baixa auto-estima, interferência no desenvolvimento educacional e social, e predisposição a outros distúrbios neurológicos ou psiquiátricos.

Há um fator genético importante na origem do transtorno. Na prática do consultório, não é incomum que os pais relatem, surpresos, que eles próprios na sua infância apresentavam os sintomas da TDAH .
O diagnóstico deve ser realizado em um trabalho conjunto por pais, professores, neurologista, psicólogos, etc.

O Transtorno pode ser dividido de acordo com o predomínio dos sintomas em:

A) TDAH predominante hiperativo e impulsivo:
1) ficar remexendo as mãos e/ou os pés quando sentado
2) não parar sentado por muito tempo
3) pular, correr excessivamente em situações inadequadas
4) ser muito barulhento para jogar ou divertir-se
5) ser muito agitado ("a mil por hora" ou "um foguete")
6) falar demais
7) responder às perguntas antes de terem sido terminadas
8) ter dificuldade de esperar a vez
9) intrometer-se em conversa ou jogo dos outros

B) TDAH predominante desatento:
1) não prestar atenção a detalhes ou cometer erros por descuido
2) ter dificuldade para concentrar-se em tarefas e/ou jogos
3) não prestar atenção ao que lhe é dito (parece surdo)
4) ter dificuldade em seguir regras, instruções e/ou não terminar o que começa
5) ser desorganizado com as tarefas e materiais
6) evitar atividades que exijam um esforço mental continuado
7) perder coisas importantes
8) esquecer compromissos e tarefas
9) distrair-se facilmente com coisas que não têm nada a ver com o que esta fazendo

A presença de seis ou mais sintomas em 1 dos itens A ou B, são fortes indicadores de que o paciente seja portador de TDAH, porém, para firmar-se o diagnóstico é necessário avaliar outros fatores além dos descritos anteriormente.

Muitas destas crianças necessitam de tratamento com medicamentos que são eficazes em aproximadamente 80% dos casos. Casos mais graves, acompanhados de outros problemas como ansiedade, depressão, agressividade ou outros, podem requerer acom-panhamento de profissionais como psicólogo, psicopedagogo, fonoaudiólogo, etc.

Matéria Por

Marcelo Flagmir Barcaro

Neurologia

Deixar Comentário

Outras MATÉRIAS