Doença Periodontal: Revisão Sobre Seu Tratamento

ODONTOLOGIA

Doença Periodontal: Revisão Sobre Seu Tratamento

Como se trata a doença periodontal?

O Tratamento das doenças periodontais consiste em controle da placa bacteriana, raspagem e alisamento da superfície radicular dos dentes com bolsas periodontais, remoção do tecido de granulação e dos fatores adicionais de retenção de placa, além de recorrente orientações de higiene oral. Segundo o National Institute of Health (NIH), o principal objetivo do tratamento da doença periodontal é controlar a infecção, e existem muitas formas de tratá-la dependendo de sua extensão.

Bactérias Formadoras de Placa

Para que o tratamento tenha sucesso, é necessário o exame preciso e diagnóstico assertivo, porém, no estágio inicial do plano de tratamento existem alguns fatores que fazem com que nem sempre seja possível prever todos os aspectos de terapia corretiva. Para minimizar os imprevistos, deve-se estabelecer um risco para cada elemento. Com base nos resultados dos exames e do diagnóstico, pode-se estimar os riscos de cada um dos dentes. Para isso, são observados três pontos principais: quais elementos têm prognóstico duvidoso e no caso de quais elementos não é aconcvelhável tratamento. Os dentes duvidosos necessitam de terapia abrangente e, dentre as situações que podem ser consideradas como prognóstico duvidoso, há: envolvimento de furca, defeitos ósseas angulares, perda óssea horizontal ( mais que dois terços da raiz), tratamento endodôntico incompleto, patologia periapical, presença de pinos/ núcleos volumosos e cáries radiculares extensas. A estratégia de tratamento da doença periodontal deve incluir a eliminação da infecção oportunista, assim como a definição de parâmetros a ser atingidos. Dentre eles há:

• Redução ou resolução do sangramento à sondagem;
• Redução da profundidade de sondagem;
• Tratamento das exposições de furca;
• Estética e função satisfatória.

Segundo a AAP, o tratamento da doença periodontal deve incluir:

Orientação de Higiene bucal e ações educativas os pacientes, visando o aconselhamento e ao controle dos fatores de riscos (stress e tabagismo), controle das inter-relações entre doença periodontal e doenças sitêmicas Remoção de placa, cálculo, bactérias supra e subgengival e raspagem e alisamento radicular meticuloso. Algumas vezes, será necessário incluir a etapa cirúrgica. Os colutórios podem ser utilizados para reduzir, alterar ou eliminar a quantidade de microrganismo patogênicos ou para alterar a resposta do hospedeiro.

CONCLUSÃO

Grau de sucesso do tratamento inicial ainda é desconhecido: a erradicação da doença dependerá da raspagem e do alisamento radicular; porém, está atrelado ao comprometimento do paciente e de sua habilidade de adoção de hábitos de dieta favoráveis e corretas práticas de controle de placa. Necessidade “subjetiva” do paciente pelo tratamento ainda é desconhecida: Após o exame minucioso do cirurgão-dentista, ele possui informações sobre tudo que pode estar afetando as saúdes oral e geral do paciente ( doença periodontal, cáries, afecções pulpares, desordem das articulações etc.). Durante a consulta de apresentação do diagnóstico, é importante que o cirurgião-dentista verifique quais são as necessidades subjetivas do paciente e se elas coincidem com tipo e volume necessários de tratamento previsto pelo profissional. Além de eliminar a dor, também é necessário satisfazer as exigências estéticas e funcionais do paciente. Resultado de certas etapas do tratamento não pode ser previsto: No caso de pacientes que possuem múltiplos elementos acometidos, seja por doença periodontal, cárie, necessidade de tratamento endodôntico ou protético, é quase impossivel prever resultados alcançados.

Ver perfil

Matéria Por

JULIANA MANHÃES

Odontologia

CRO/RJ 34128 | Macaé

Deixar Comentário