Declínio Cognitivo

FARMÁCIA

Declínio Cognitivo

O uso de nutracêuticos como auxiliares no tratamento de doenças neurodegenerativas. A cognição está ligada ao processo de desenvolvimento do raciocínio lógico através de estímulos neurais, captados por meio de nossos cinco sentidos. Este processo cognitivo passa pela percepção, compreensão, memorização e velocidade em transmitir recordações ou transformar pensamentos e ideias em linguagem. Está extremamente ligada à inteligência humana e ao desenvolvimento intelectual.

Fatores como o excesso de distração (o ônus que a tecnologia e a conectividade nos trouxeram) e o envelhecimento podem ocasionar disfunções, declínio cognitivo ou uma fadiga cerebral. Essas alterações cognitivas vão afetar a concentração no momento presente (a falta de atenção no que se está fazendo), resultando em problemas no nosso dia a dia, no trabalho, na leitura, em testes e em provas. A memória também é afetada. É a maior causa de queixas em consultórios quando o declínio cognitivo começa a dar as caras. Não há prevenção ou cura.

Os tratamentos auxiliares atuais com nutracêuticos buscam amenizar os sintomas mais graves, impedir o avanço de forma muito agressiva e em alguns casos, recuperar um pouco essa cognição deficitária. Patologias como o Alzheimer e o Parkinson, por exemplo, estão associadas a mudanças bruscas no ritmo e estilo de vida. E como a ciência, os hábitos alimentares e de vida estão adicionando anos em nossa expectativa de vida, precisamos nos preocupar agora em adicionar também mais vida – e uma boa capacidade cognitiva – a esses anos que estamos ganhando.

E os nutracêuticos estão aí para nos auxiliar neste processo. São produtos que unem a tecnologia farmacêutica com o que há de melhor na nutrição científica. Substâncias como a Vitamina E, o Selênio e a Coenzima Q10, além de atuarem como antioxidantes e anti-inflamatórios, apresentam mecanismos que favorecem sensivelmente o controle do Alzheimer e Parkinson. O magnésio, o zinco e o ômega 3, que também são moduladores no processo inflamatório, podem ainda trazer uma melhora nos aspectos cognitivos do paciente.

Além destes, a vitamina B12, a vitamina B6, o Bitartarato de Colina e o ácido Gama Amino Butírico (GABA), em associação ou isoladamente, podem exercer um efeito neuroprotetor e uma diminuição na velocidade de progressão dos sintomas em pacientes com doenças neurodegenerativas em estágio leve a moderado. Mas é sempre bom lembrar: o uso de nutracêuticos deve ser recomendado pelo seu especialista, que vai lhe indicar a melhor opção para o seu caso.

Medicamentos tradicionais nunca devem ser descontinuados sem a determinação do seu médico. A Formulatto Manipulação consegue, com seus ativos disponíveis, formular inúmeras opções (medicamentosas ou de nutracêuticos), com doses individualizadas que se enquadrem às suas necessidades, mas sempre através da orientação de um especialista. Não se esqueça: você é único, portanto seu tratamento, também deve ser!

Ver perfil

Matéria Por

RICARDO A. ZASTROW

Bioquímica

CRF/SC 4152 | Joinville

Deixar Comentário