Estrabismo

OFTALMOLOGIA

Estrabismo

Estrabismo é o desalinhamento dos olhos, quando a pessoa fixa com um olho um objeto e o outro olho não está fixando no mesmo objeto. Existem vários tipos de estrabismo ele pode ser horizontal, vertical ou ambos. O desvio horizontal pode ser convergente (desvio para dentro) ou divergente (desvio para fora). Pode ocorrer em crianças e em adultos. As causas em crianças são várias, o desvio convergente pode ser acomodativo (devido a hipermetropia), muscular (devido a hiperfunções ou hipofunções musculares) ou de ambos. O desvio divergente pode ser intermitente (ocorre de vez em quando) ou fixo, as suas causas podem ser musculares (hiperfunções ou hipofunções musculares), ou variações de grau, que fazem com que um olho perda a fixação.

É também muito importante que sempre que uma criança tenha estrabismo faça o exame oftalmológico completo com a dilatação da pupila para poder descartar problemas mais graves como alterações retinianas, do nervo ótico, do cristalino, etc. Existe também o pseudoestrabismo, é um estrabismo falso, devido a uma prega de pele (epicanto) que existe no canto interno do olho que dá aparência de desvio, o telecanto que é o aumento da distância entre os cantos dos olhos também podem dar a aparência de falso estrabismo. O estrabismo nas crianças sempre deve ser tratado ou acompanhado de perto devido á possibilidade de haver ambliopia que é o chamado olho preguiçoso, esse deve ser sempre evitado, a acuidade visual de todas as crianças com estrabismo deve ser acompanhada, se algum olho não tiver uma boa visão deve fazer o tratamento do estrabismo, mais o uso de oclusão ocular.

O tratamento da ambliopia só é feito até aos 7 anos e em altos hipermetropes até aos 9 anos, o tratamento cirúrgico nos estrabismos (nos que têm indicação) pode ser feito a qualquer altura da vida da criança. Só certos estrabismos congênitos (endotropias) que são feitos precocemente, para poder haver uma possível melhora da visão binocular. Nos adultos o estrabismo pode vir de criança ou se for repentino sempre vai ocorrer diplopia, o paciente vai ver duas coisas, esse estrabismo sempre tem que ser investigado por um neurologista. E depois de investigar as causas, pode-se tratar com toxina botulínica que é feita precocemente para evitar a contratura dos músculos. Mais tarde conforme a medida do desvio, pode ser feito cirurgia ou óculos com prisma (óculos que juntam a imagem) ou ambos.

Matéria Por

Eliane Cardoso dos Reis

Oftalmologia

CRM/SC 7833 | RQE4687 | Florianópolis

Deixar Comentário