Entendendo a Depressão

PSICOLOGIA

Entendendo a Depressão

A depressão e um dos transtornos mentais mais comuns, sendo que segundo OMS calcula-se que até 2020 a depressão será a segunda causa de incapacitação no mundo, atrás somente da doença coronariana isquêmica. Mais comum em mulheres. Os principais sintomas: são perda de interesse ou prazer, apetite alterado, perturbação do sono, insônia, alterações psicomotoras, diminuição de energia, cansaço, fadiga, sentimento de desvalia ou culpa, dificuldade de concentração, tomar decisões, pensamentos sobre morte e ideias suicidas. Em adolescentes e crianças observam sintomas de irritabilidade e queda abrupta no rendimento escolar.

A depressão com esses sintomas em um período no minimo de 2 semanas é chamado de transtorno depressivo maior. Pode durar até seis meses. Pode estar associado a outros transtornos como ansiedade, fobia e queixas de dores. Existe uma relação a um padrão de família onde o transtorno depressivo maior é 1,5 a 3 vezes mais comum entre parentes biológicos de pessoas com este transtorno do que na população geral. Um risco aumentando de dependência de álcool em parentes. A neuroquímica da depressão está relacionada a amígdala cerebral, que é responsável a resposta da ansiedade e da suscetibilidade e desenvolvimento de depressão, sendo uma estrutura chave em ambos os eventos psíquicos.

Ha décadas foi demonstrado que em pessoas com depressão há uma liberação do cortisol, o estresse está intimamente ligado a depressão. No âmbito esportivo episódios depressivos podem ocorrer quando o atleta ou praticante de atividade física está lesionado e impossibilitado de treinar. E na síndrome de excesso de treinamento. A terapia cognitiva comportamental reduz os sintomas e também a evolução do quadro de transtornos depressivo maior. Reduz significativamente a incidência de episódios depressivos maiores. Uma equipe de pesquisadores do Centro de depressão em Chigado está desenvolvendo um aplicativo, com base na mudança de hábitos de digitação no celular é possível prever episódios depressivos.

Matéria Por

ANA CRISTINA CAMARGO IELO ZEMELLA MARTINS DE OLIVEIRA

Psicólogo

CRP/SC 12/16048 | Florianópolis

Deixar Comentário