OXIGENOTERAPIA

Oxigenoterapia Hiperbárica Tecnologia moderna a serviço da saúde

“A Oxigenoterapia Hiperbárica é um tratamento auxiliar que permite aos profissionais de saúde acelerar a cura de seus pacientes.”

Provocando uma hiperoxigenação nos diversos tecidos e órgãos, uma série de efeitos terapêuticos se manifestam no organismo, determinando reações que facilitam a cura de diversas doenças. O Oxigênio Hiperbárico, administrado através de uma Câmara Hiperbárica - onde o paciente é completamente introduzido - pode elevar a pressão de oxigênio no sangue em até 20 vezes os valores normais, provocando um “stress oxidativo” que determina uma série de efeitos benéficos no organismo. Assim, tecidos ou órgãos que estejam em sofrimento, quer pela falta de oxigenação (hipóxia), por traumas, por inflamação, por isquemias (falta de irrigação sanguínea) ou por infecções, podem receber tensões maiores de oxigênio, melhorando sua performance e permitindo o restabelecimento de suas funções de forma mais rápida e eficiente.

Tratamento auxiliar

Excetuando-se as doenças provocadas pela elevação na concentração de gazes no organismo humano, como na Doença Descompressiva dos mergulhadores, Embolias aéreas, Intoxicação por Monóxido de Carbono (fumaça) e Gangrena gasosa, onde a Oxigenoterapia Hiperbárica é o principal tratamento a ser instituído, nas demais utilizações dessa tecnologia, tem característica adjunta, pois ajuda as demais tratamentos recomendados, potencializando e abreviando seus efeitos, melhorando as condições de vida e a capacidade de resposta dos pacientes. Muito usada no tratamento de feridas de difícil controle, a OHB tem auxiliado inúmeros pacientes que sofrem de úlceras há muitos anos a encontrar sua cura e o fechamento das lesões. Os diabéticos, de uma forma geral, que sempre desenvolvem ulcerações conhecidas como “pé diabético”, têm se beneficiado do uso adjunto da OHB para promover a cicatrização de suas lesões e o controle das infecções secundárias que normalmente estão associadas.

Infecções

Muitas infecções com alta mortalidade têm na OHB um poderoso aliado para controle da evolução e recuperação do paciente. A Síndrome de Fournier por exemplo, uma fasciite necrosante muito agressiva, que se não tratada convenientemente leva a morte mais da metade dos acometidos, responde muito bem ao tratamento com antimicrobianos, cirurgia higiênica e oxigenoterapia hiperbárica, recuperando a maioria dos pacientes. As complicações cirúrgicas com isquemia dos tecidos, infecção e deiscência de suturas encontram na OHB um aliado que possibilita a salvação de tecidos e tem evitado a amputação de membros e preservado vidas.

Ver perfil

Matéria Por

Pedro Henry Neto

Medicina Legal e Perícia Médica

CRM/MT 1037 | RQE 2641 | Cuiabá

Matéria Por

Pedro Henrique Pires Wieczorek

Médico

CRM/MT 8925 | Cuiabá

Deixar Comentário

Outras MATÉRIAS