Preservação da fertilidade

GINECOLOGIA

Preservação da fertilidade

Existem muitas mulheres que por circunstâncias econômicas, laborais, de saúde, ou porque não possuem um parceiro, decidem ou se veem obrigadas a adiar a maternidade. Para essas situações existe o congelamento de óvulos, conhecido como criopreservação, que preserva a qualidade das células reprodutivas e oferece para a mulher a segurança de ter óvulos saudáveis para o futuro. Desta maneira, e independentemente do passar do tempo, uma mulher pode experimentar a maternidade com óvulos próprios que foram gerados na sua idade mais fértil.

A mulher nasce com um número determinado de óvulos, e sua capacidade para conceber vai diminuindo com o passar do tempo, especialmente a partir dos 35 anos. Devido ao ritmo de vida atual, cada vez mais mulheres se encontram com um nível de fertilidade mais baixo quando decidem engravidar. Com o congelamento dos óvulos, as mulheres podem alcançar a maturidade sem passar por uma diminuição significativa de chances para conceber no futuro.

Além de adiar a maternidade para o momento mais adequado, o congelamento de óvulos é uma alternativa para preservar a fertilidade de mulheres que sofrem de alguma doença genética que pode levar a uma perda precoce da capacidade reprodutiva ou que serão submetidas a uma terapia oncológica, como quimio e radioterapia. Pacientes com câncer podem realizar o procedimento, com o consentimento do oncologista, para futuramente realizarem os tratamentos de reprodução assistida. É importante realizar o congelamento de óvulos antes do início desses procedimentos oncológicos.

Para realizar o congelamento de óvulos é necessário que a mulher seja submetida a uma estimulação hormonal para aumentar as possibilidades de êxito, já que de forma natural apenas um óvulo é liberado em cada ciclo menstrual. Este tratamento visa estimular o ovário para que se desenvolvam mais óvulos a serem congelados. O tratamento dura em média 10 a 12 dias em função do protocolo utilizado e da resposta de cada paciente. Durante o mesmo, realizam- se de 3 a 4 ecografias para acompanhar o desenvolvimento folicular.

O próximo passo após a estimulação ovariana é a punção folicular, em que serão coletados os óvulos. A quantidade de óvulos maduros obtidos são congelados através da técnica de vitrificação, e armazenados em containers de nitrogênio líquido, podendo ser descongelados a qualquer momento e, em seguida, fertilizados com sêmen do parceiro ou de banco de sêmen quando indicado. Os embriões resultantes, então, são transferidos diretamente para a cavidade uterina.

Ver perfil

Matéria Por

Ricardo Nascimento

Ginecologia e Obstetrícia

CRM/SC 3198 | RQE 2109 | Florianópolis

Matéria Por

Ana Lúcia Bertini Zarthi

Ginecologia e Obstetrícia

CRM/SC 8534 | RQE 10334 | Florianópolis

Ver perfil

Matéria Por

Marcelo Costa Ferreira

Ginecologia e Obstetrícia

CRM/SC 7223 | RQE 2935 | Florianópolis

Ver perfil

Matéria Por

Jean Louis Maillard

Endoscopia Ginecológica

CRM/SC 9987 | RQE 10415 RQE 11228 | Florianópolis

Deixar Comentário