OFTALMOLOGIA

Transplante de Córnea

O olho é formado por diversas estruturas, dentre elas, a córnea que é um tecido transparente localizado na superfície ocular e fundamental para a visão (ver Figura 1). As doenças que atingem a córnea são responsáveis por cerca de 5% da cegueira reversível em todo o mundo e podem acarretar baixa visão aos pacientes e outros problemas como perda de produtividade no trabalho, diminuição da qualidade de vida, dependência de familiares e até mesmo depressão.

Quando os óculos ou a lente de contato não conseguem restaurar a visão desses pacientes com doença na córnea, o transplante de córnea é a melhor opção cirúrgica. O transplante de córnea é um procedimento cirúrgico em que o tecido doente do paciente é removido e substituído por uma córnea sadia de um doador falecido (ver Figura 2). No Brasil, a doação de órgãos e de córnea só pode ser efetuada após a autorização do familiar do doador falecido, por meio da assinatura de um termo de doação, independentemente da vontade da pessoa em vida. A lista de espera para transplantes de córnea no Brasil é única em cada estado brasileiro, e o atendimento é por ordem cronológica de inscrição no cadastro técnico.

Quando adequadamente indicado e realizado por oftalmologista habilitado, o transplante de córnea é capaz de restaurar a visão e melhorar a qualidade de vida dos pacientes e de seus familiares. Os transplantes de córnea são classificados em óptico e tectônico. A técnica cirúrgica pode substituir apenas uma parte da espessura da córnea (denominado de lamelar, podendo ser anterior ou posterior) ou toda a espessura (denominado de penetrante, que ainda é o mais realizado em todo o mundo – (ver Figura 3). Como a córnea é um tecido imunologicamente privilegiado, por não possuir vasos sanguíneos e linfáticos em sua estrutura, há um menor risco de rejeição no receptor, se comparado a outros transplantes, como o de coração ou de medula óssea. As indicações para o transplante de córnea são diferentes entre os países e os estados brasileiros, a depender das condições socioeconômicas, demográficas e de infraestrutura de cada população. As principais indicações descritas na literatura são ceratocone, ceratite infecciosa e ceratopatia bolhosa pseudofácica.

Quando os óculos ou a lente de contato não conseguem restaurar a visão desses pacientes com doença na córnea, o transplante de córnea é a melhor opção cirúrgica.

Ver perfil

Matéria Por

Hirlana Gomes Almeida

Oftalmologia

CRM/RR: 1984 RQE 639 | Boa Vista

Ver perfil

Matéria Por

Romulo Ferreira da Silva

Oftalmologia

CRM/RR: 266 RQE: 319 RQE: 320 | Boa Vista

Deixar Comentário

Outras MATÉRIAS