Pele, Sol e Vitamina D

DERMATOLOGIA

Pele, Sol e Vitamina D

Com os avanços da ciência, sabe-se que a vitamina D é necessária para múltiplas funções do corpo. Pensava-se na sua importância para os cuidados dos ossos, mas sabe-se que ela age no desempenho da função muscular, sistema imune, cérebro, sistema cardiovascular, reprodutivo e até no humor. O grande dilema está em, se precisamos da luz do solar para produzir essa vitamina, como fazer para evitar os riscos de exposição solar que predispõe o câncer de pele. Ficar exposto sob luz solar não é o correto, mesmo porque quando nossa pele começa a bronzear, ela passa a bloquear a quantidade de vitamina D que pode produzir, situação contraditória, não?

Quanto mais clara nossa pele, mais vitamina D é capaz de produzir. Nosso Organismo consegue essa vitamina não só pela luz do Sol, mas também de alimentos como salmão, atum, ovos, laranjas, nozes, cereais e suplementos alimentares industrializados. Durante os meses da primavera e verão, em dias ensolarados, o Sol das 10 às 14 horas é o que mais induz a produção da vitamina D em nossa pele sob uma série de reações. Porém, no inverno é que mais temos casos de deficiência dessa vitamina, sendo dessa forma muitas vezes necessárias a suplementação via oral.

Nós, dermatologistas, tratando e atendendo no dia a dia muitos casos de câncer de pele melanoma e não melanoma, temos que advertir a população geral que, em nenhuma hipótese justifica-se exposição ao Sol com bronzeamento, para produzir essa vitamina. Quando estamos ao ar livre naturalmente, recebemos uma boa quantidade de exposição do Sol e alguma formação de vitamina D, dessa forma devemos reforçá-la com a ingesta através de fontes alimentares naturais e, se necessário, até suplementos via oral. “Assim, tanto nossa pele, quanto nossos ossos agradecem”.

Matéria Por

Rita Leão Clara

Dermatologia

CRM/SP: 78223 RQE: 68123 | Barretos

Deixar Comentário