MÉDICA

Metabolismo lento existe?

Com o passar dos anos, com as mudanças metabólicas e mudanças no estilo de vida, comumente as pessoas vão ganhando peso e geralmente atribuem isso ao “metabolismo lento”.

Nossos músculos são nossas “usinas de energia” pois eles possuem maior concentração de mitocôndrias ( parte da célula responsável por transformar o que comemos em energia para o corpo), quanto menos massa muscular temos, menos energia produzimos e com isso ficamos mais cansados, perdemos massa óssea e engordamos com maior facilidade.

Até os 30 anos temos maior capacidade de aumento de massa muscular, e é fundamental para um envelhecimento saudável que durante esse período haja grande estímulo de ganho e/ou manutenção da musculatura. Fatores genéticos e hormonais influenciam no tipo e distribuição da massa muscular porém, é a dieta adequada e atividade física regular que irão fazer esse estímulo.

Uma dieta equilibrada, com grande quantidade de verduras e legumes, boa quantidade de frutas, carnes, ovos, peixes, grãos e gordura de boa qualidade é fundamental para o ganho de massa muscular. Além de ingerir bons alimentos, precisamos ser capazes de absorver esses nutrientes e aí entram 2 fatores primordiais: boa mastigação e atividade correta das enzimas digestivas, que vão possibilitar a absorção desses nutrientes.

Após os 30 anos começa uma perda gradual de massa muscular e força (que pode ser evitada com atividade física e alimentação correta). Em média, uma perda de 1 a 2% por ano da massa muscular. Em mulheres na menopausa e homens na andropausa essa perda é ainda maior devido à diminuição dos estímulos hormonais. Após os 60 anos surge uma doença pouco comentada, porém relacionada a diversos problemas do cotidiano do idoso e a outras doenças crônicas, a Sarcopenia - diminuição da massa, da força e/ou da função muscular.

Com o passar da idade e sem os cuidados adequados, ocorre a substituição de massa muscular por massa de gordura, o que gera um menor gasto de energia pelo organismo e aumento de substâncias inflamatórias (que facilitam o desenvolvimento de outras doenças como artroses e diabetes), maior ganho de peso e mais dificuldade para emagrecer, maior risco de fraturas, dificuldade de movimentação, cansaço aos pequenos esforços e muitos outros problemas em decorrência disso.

Então, avaliar só o peso não é suficiente, sua capacidade metabólica está diretamente ligada a sua massa muscular! Avaliar a composição corporal é fundamental.

O ideal é que quando jovens façamos uma “poupança” muscular, já que nessa fase, o ganho de massa é mais fácil e para que mais tarde possamos manter esses ganhos e a qualidade de vida que eles trarão. Não poupou? Comece hoje então!

Quer melhorar seu metabolismo? Ainda não existem pílulas mágicas, a combinação de boa alimentação + hidratação + atividade física continuam sendo o melhor caminho. Porém, a deficiência de nutrientes, deficiência de enzimas digestivas, alterações hormonais, sono ruim, algumas medicações, doenças já instaladas dificultam ou às vezes impedem que isso ocorra. Nestes casos, a avaliação médica é fundamental e pode contribuir muito para uma vida com mais qualidade já programando um envelhecimento com saúde!

Nossas escolhas hoje determinam nossa qualidade de vida no futuro!

Ver perfil

Matéria Por

Vivian Campos

Médica

CRM/SC 15858 | Balneário Camboriú

Deixar Comentário

Outras MATÉRIAS