Cefaleia ou dor de cabeça tensional

NEUROLOGIA

Cefaleia ou dor de cabeça tensional

Dor de cabeça tensional é uma dor difusa, nos dois lados da cabeça, em faixa, em pressão ou aperto, de intensidade leve à moderada, normalmente sem náuseas, com duração que pode variar de poucos minutos a horas ou dias, e que não é atribuída a nenhuma outra doença. Pelo menos nove entre dez pessoas já tiveram ao menos uma dor de cabeça em suas vidas. A grande maioria desses casos se enquadra em casos de dor de cabeça tensional. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia, cerca de 38% a 74% dos brasileiros sofrem com cefaleia tensional. A idade mais comum para o início das dores é em média dos 25- 30 anos, com pico dos 30-39 anos, mais comum entre mulheres. Ao contrário do que muitos pensam, esse tipo de dor de cabeça nem sempre tem relação direta com a tensão emocional, mas sim com a tensão ou contração exagerada, anormal e mantida de grupos musculares dos ombros, pescoço, couro cabeludo e até face. É o tipo de dor de cabeça mais comum que existe, mas por não ser tão intensa e incapacitante, faz com que seus portadores, mesmo crônicos, não procurem tanto a ajuda médica como, por exemplo, fazem os portadores de enxaqueca. Existem basicamente dois tipos de dor de cabeça tensional: as episódicas e as crônicas. As dores de cabeça do tipo tensional episódicas são extremamente comuns, moderadas e geralmente não incapacitam o paciente. Porém, assumem caráter problemático e incômodo quando passam a ocorrer mais de 15 dias por mês, configurando o caráter crônico. As causas da cefaleia tensional ainda não são bem compreendidas, e não é uma dor hereditária.

Os principais fatores relacionados ao aumento da tensão muscular nos grupos musculares envolvidos na dor de cabeça tensional são:

• Repouso insuficiente;
• Má postura;
• Estresse emocional ou mental;
• Depressão;
• Ansiedade;
• Jejum prolongado, má alimentação;
• Insônia;
• Excesso de exercícios;
• Sobrepeso ou obesidade.

Na maioria dos casos, não é necessário fazer exames de imagem, mas naqueles pacientes com dores atípicas ou com mudança no padrão de dor, faz-se necessário uma investigação mais cuidadosa com exames de laboratório e de imagem, como tomografia ou ressonância de crânio. A atividade física regular é a principal forma de prevenção da dor de cabeça tensional, porém outras formas de relaxamento também ajudam, como yoga e meditação. Alimentação adequada e balanceada, sono adequado, não fumar, consumo adequado de água são outras formas de prevenção. Acupuntura pode ser efetiva em alguns casos. O tratamento das crises é feito com analgésicos simples, como dipirona e paracetamol, e anti-inflamatórios, como naproxeno, cetoprofeno e diclofenaco. A associação com cafeína é efetiva.

Nos casos crônicos, as medicações mais comumente usadas na prevenção das crises são:

• 1ª linha: amitriptilina;
• 2ª linha: mirtazapina e venlafaxina;
• 3ª linha e outros medicamentos: clomipramina, buspirona, topiramato.

Ver perfil

Matéria Por

Rafael William De Souza

Neurologia

CRM/PR 26931 | RQE 18196 | Arapongas

Deixar Comentário

Outras matérias desse profissional