ASSIM NASCE UM SORRISO...

ESPECIAL CAPA

ASSIM NASCE UM SORRISO...

Outro dia me peguei pensando sobre o porquê de ter escolhido ser dentista. São anos de faculdade, especializações, cursos, mestrado, aulas, consultório e um mercado de trabalho saturado. É verdade que muita gente usa sua profissão como ponte para outras atividades em que o lucro dá lugar à realização. O médico que reserva todo seu final de semana a um esporte. O advogado que passa metade da semana em uma sala de aula exercendo magistério. A concursada que monta um ateliê de pintura. E assim vai. A satisfação pessoal, no entanto, pode ser sinônimo de realização profissional.

Digo isso não só com palavras: trago um caso de consultório que pode muito bem ilustrar a história de cada leitor e, ao mesmo tempo, encher qualquer profissional de orgulho. Nossa protagonista: mulher com 40 anos de idade, professora, dona de uma família linda, carregando uma insatisfação imensa com o sorriso. Já havia passado por três anos de tratamento ortodôntico, procedimento cirúrgico e o problema continuava lá como um fardo em suas costas. A dificuldade em sorrir já era perceptível nas primeiras fotos tiradas durante a avaliação preliminar. 

O início de um tratamento como esse exige do paciente a consciência de que o resultado pode levar algum tempo (só uma avaliação é que diz quanto) e já de início o coloca num dilema financeiro sobre saúde bucal e estética. Sejamos sinceros: na prática, é muito mais atraente investir em estética do que em saúde, não? Coisas do ser humano. A realidade, porém, não é assim. Antes de qualquer coisa, é necessário sim eliminar problemas que possam eventualmente se agravar, atrapalhar os resultados desejados e prolongar ainda mais o tratamento.

Sem exceção, portanto: restaurações em dia, sem cáries, gengivas e raízes saudáveis e limpeza impecável. Só aí a coisa começa a tomar forma. Desde minha especialização em ortodontia (2006/2008), muita coisa mudou. É nítida a interação entre aparelhos ortodônticos e estética. Eles ficaram menores, mais discretos e imitam a própria cor dos dentes (são os chamados braquetes estéticos de materiais variados – policarbonato, cerâmica e safira são os mais comuns). No consultório, os queridinhos são os aparelhos invisíveis em forma de placas feitas de uma espécie de silicone resistente e totalmente transparente.

O próprio paciente troca toda semana gradativamente até corrigir os desalinhamentos. A praticidade aqui é imensa: sem dor ou colagem de peças, com pouca manutenção e totalmente imperceptível. É indicado para casos menos severos e seu planejamento é feito a partir de um molde da arcada dentária e uma detalhada projeção do posicionamento almejado. A foto da nossa paciente, ali no alto da página, começou exatamente assim. Tudo certo com a saúde bucal, lá se foram aproximadamente sete meses com aparelho até o toque final: facetas de porcelana e adeus àqueles espaços indesejados. Um novo sorriso nascia recheado de autoestima.

O caso da Valéria envolveu duas áreas da odontologia que caminham juntas: ortodontia e estética bucal. É necessária análise do formato do rosto, mordida, nariz, tamanho dos olhos e maxilar. Uma vez alinhados, os dentes sofrem um mínimo desgaste e recebem uma lâmina de porcelana feita sob medida e colada em sua superfície. Imitam a ideia da lente de contato dos olhos e tem como propósito reproduzir um sorriso natural e, ao mesmo tempo, perfeito em tamanho, cor e simetria. Lembram do que falei sobre realização pessoal e profissional? As palavras dela própria, na próxima página, servem de ilustração:

Tenho 40 anos, sou casada e mãe de duas meninas. Sou professora com formação em Pedagogia e atualmente trabalho com crianças de 5 a 10 anos. O motivo pelo qual procurei a Dra. Camila foi uma insatisfação com o resultado de um tratamento ortodôntico que fiz há um tempo e que, após 3 anos de tratamento com cirurgia e o uso do aparelho, não foi possível fechar um diastema entre os dentes frontais da arcada superior que me incomodava muito. Conheci a Dra. Camila através da odontopediatra que cuida das minhas filhas. Quando uma delas precisou de um ortodontista ela me indicou seus serviços e, no final do tratamento, fiquei muito satisfeita. Pedi que fizesse uma avaliação do meu caso e ela me passou muita segurança desde o primeiro momento. Na ocasião já me disse que somente a correção com aparelho ortodôntico e uma outra cirurgia de frenectomia não iriam bastar para o resultado que eu esperava e que a isso deveria associar a implantação de lentes de contato (facetas de porcelana). Confesso que no início fiquei um pouco insegura, passar novamente por um tratamento que já havia feito e não obtido um bom resultado. Mas a vontade de sorrir sem medo, de fotografar sorrindo, me encorajaram. Após pouco mais de um ano finalizamos o tratamento e o resultado superou minhas expectativas. Isso sem dúvida foi devido a competência, experiência, sensibilidade e profissionalismo dessa profissional que indico sem receio a todos que querem alcançar um sorriso perfeito. (Valéria Cristina Pereira Rosa).

Sua indicação é destinada àquelas pessoas descontentes com a forma (dentes pequenos, desiguais ou afastados), cor (tom amarelado não resolvido com clareamento) ou posição (dentes tortos). E mais: o tratamento coloca um ponto final nos dentes quebrados cujas restaurações se demonstram frágeis e pouco duradouras. As variáveis são diversas e, além da técnica, incluem a confiança no profissional, o uso de materiais de boa qualidade e a administração correta do tempo de tratamento. No fim das contas, a ideia é de que se tenha o melhor resultado no menor tempo possível. A Valéria carregou por décadas o receio de sorrir. Hoje, além das palavras de felicidade, podemos ver um sorriso harmônico e acessível a qualquer um.

Ver perfil

Matéria Por

CAMILA ARAUJO

Odontologia Estética

CRO/PR: 18007 | Umuarama

Deixar Comentário

Outras matérias desse profissional