Reabilitação Cardíaca! Quem precisa fazer?

CARDIOLOGIA

Reabilitação Cardíaca! Quem precisa fazer?

Os programas de reabilitação cardíaca foram desenvolvidos com o propósito de trazer esses pacientes de volta às suas atividades diárias habituais, com ênfase na prática do exercício físico supervisionado e em ambiente seguro com profissionais treinados, acompanhada por ações educacionais voltadas para mudanças no estilo de vida. A reabilitação cardíaca em sua essência é a associação de atividades integradas necessárias para garantir ao indivíduo, portador de uma enfermidade cardíaca, a reintegração social através da recuperação de suas condições físicas, psicológicas e sociais.

De forma que eles consigam, pelo seu próprio esforço, reconquistar uma posição normal na sociedade e levar uma vida ativa e produtiva. Há aproximadamente 40 anos, antes do conceito de reabilitação cardíaca surgir, a maioria dos pacientes acometidos por uma doença no coração como infarto ou insuficiência cardíaca eram orientados a se manter em repouso máximo, restringindo suas atividades, o que contribuía para perda progressiva de sua capacidade funcional e importante limitação física, comprometendo seu desempenho profissional, familiar e social.

Os programas de reabilitação cardíaca foram desenvolvidos com o propósito de trazer esses pacientes de volta às suas atividades diárias habituais, com ênfase na prática do exercício físico supervisionado e em ambiente seguro com profissionais treinados, acompanhada por ações educacionais voltadas para mudanças no estilo de vida. O treinamento físico deve iniciar-se ainda com o paciente internado (fase I) e após a alta hospitalar o seguimento é contínuo (fase II, III e IV) visando a melhora gradativa da capacidade funcional, melhora da qualidade de vida, redução dos episódios de reinternação hospitalar e redução do risco de mortalidade. Tendo sempre como prioridade a garantia de segurança e assistência individualizada, de acordo com as necessidades de cada paciente.

Custo Efetividade da Reabilitação

reabilitação cardíaca é intervenção classificada como altamente efetiva, quando comparada com outras intervenções após IAM, como: revascularização miocárdica, trombólise, tratamento com Beta-bloqueadores, inibidores da enzima de conversão, estatinas e antiplaquetários. Somente a cessação do tabagismo é mais custo efetiva do que a reabilitação cardíaca.

Conclusões

O aumento da capacidade funcional, redução de sintomas, benefício psicológico, auxílio no controle de fatores de risco, retorno mais precoce ao trabalho e aumento da sobrevivência justificam o emprego sistemático da reabilitação na cardiopatia isquêmica, mesmo nos pacientes com insuficiência cardíaca. A orientação fundamental a ser dada pelo cardiologista ao seu paciente é de que reabilitação não se limita a programas formais e sofisticados, mas a uma mudança do estilo de vida, abrangente em relação aos fatores de risco controláveis, e melhora marcante na qualidade de vida e reintegração social.

Ver perfil

Matéria Por

Thiago Machado Lima Mota

Cardiologia

CRM/MG 51.962 RQE 40.785 | RQE 40.786 | Uberlândia

Deixar Comentário