Infertilidade em mulheres pode estar relacionada à Endometriose

GINECOLOGIA

Infertilidade em mulheres pode estar relacionada à Endometriose

Doença acomete cerca de 6 milhões de brasileiras. A dificuldade em engravidar acompanhada de algumas dores na região pélvica podem estar relacionadas a uma condição que atualmente acomete cerca de 6 milhões de brasileiras. A endometriose é uma doença caracterizada pela presença de endométrio (tecido que reveste o interior do útero) fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga. Estima-se que aproximadamente 20% das mulheres têm apenas dor, 60% têm dor e infertilidade, e 20% apenas infertilidade.

Existem mulheres que sofrem dores incapacitantes e outras que não sentem nenhum tipo de desconforto. Além disso, outros sintomas são bastante comuns na doença, como cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação; dor durante as relações sexuais; dor difusa ou crônica na região pélvica; sangramento menstrual intenso ou irregular; alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação; dificuldade para engravidar e infertilidade. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) podem desenvolvê-la e 30% tem chances de ficarem estéreis.

A endometriose ainda é uma doença difícil de diagnosticar por meio do exame físico, ou seja, realizado durante a consulta ginecológica de rotina. Dessa forma, os exames de imagem são mais adequados para indicar a possível existência do problema como, por exemplo, ultrassom transvaginal com preparo intestinal ou até uma ressonância magnética da pelve. Dois tipos de tratamento podem ser usados para combater as dores da endometriose: medicamentos ou cirurgia.

Cada um deles tem suas especificidades, e cabe ao ginecologista avaliar a gravidade da doença em cada caso e recomendar o melhor tratamento. Vale lembrar que, dependendo da situação, ambos os procedimentos são feitos de maneira integrada. É importante compreender que não existe cura permanente para a endometriose. O objetivo do tratamento é aliviar a dor e amenizar os outros sintomas, como favorecer a possibilidade de gravidez e diminuir as lesões endometrióticas.

Tratamento cirúrgico

Nesse procedimento, a endometriose é removida por meio de uma cirurgia chamada laparoscopia. Em alguns casos, é possível eliminar apenas os focos da doença ou as complicações que ela traz – como cistos, por exemplo. Também é possível a realização da videolaparoscopia, que diagnosticará o número de lesões, aderências, a obstrução tubária e já tratar a doença.

Tratamento com medicamentos

Existem diversos medicamentos disponíveis no mercado para tratar a endometriose, como: analgésicos, anti-inflamatórios, análogos de GNHR e anticoncepcionais. Atualmente, também é possível reduzir os sintomas utilizando o DIU hormonal.

 

Ver perfil

Matéria Por

Camila Vieira Giannecchini

Ginecologia e Obstetrícia

CRM/MG 58.231 | RQE 36.221 | Uberlândia

Deixar Comentário