Condropatia patelar

ESPECIAL CAPA

Condropatia patelar

Viscossuplementação é um ótimo tratamento para as lesões da cartilagem. Muitas pessoas apresentam uma predisposição à lesão na cartilagem da patela. Trata-se de uma doença de múltiplas causas (desequilíbrio da musculatura da coxa, instabilidade, trauma, etc) e que ocorre mais frequentemente em mulheres jovens. O sintoma principal é dor na região anterior do joelho, principalmente ao descer ou subir escadas, agachar, permanecer longo período sentado e ao levantar-se de uma cadeira. Frequentemente, as pessoas se referem, associado à dor, estalos e sensação de “rangido” no joelho. A condropatia patelar é uma lesão degenerativa da cartilagem da patela, portanto crônica, e que evolui com o passar do tempo, por isso a importância de intervir com o tratamento nas suas fases iniciais. É diagnosticada através do exame clínico e estratificada através da ressonância magnética. Classificada de acordo com a ICRS ( International Cartilage Repair Society) em 4 graus: grau 1 quando ocorre apenas o amolecimento dessa cartilagem, grau 2 quando ocorre fissuras/erosões superficiais nessa cartilagem, grau 3 quando há fissuras/ erosões profundas e grau 4 quando há uma região desnuda de cartilagem, com exposição óssea. O tratamento mais utilizado é o tratamento não cirúrgico, que se baseia em um programa específico de reequilíbrio muscular, associado ao uso de medicações.

Tais medicações são:

1. Analgésicos e anti-inflamatórios para o controle da dor ;

2. Condroprotetores: apresentando evidências científicas mais fortes a associação de glicosamina com condroitina;

3. Viscossuplementação ou Infiltração com Ácido Hialurônico: é uma ótima indicação, tem efeito condroprotetor, efeito analgésico, anti-inflamatório e também efeito mecânico, promovendo a melhora na qualidade de vida dos pacientes;

4. Injeção de corticoide: é a injeção de um anti-inflamatório potente. Sua aplicação anteriormente à viscossuplementação otimiza o efeito do ácido hialurônico.

Na falha do tratamento não cirúrgico, restam os procedimentos cirúrgicos, que são:

1. Artroscopia com raspagem “shaving”: consiste na raspagem das porções lesadas da cartilagem, que pode ser realizada isoladamente ou em conjunto com as técnicas de realinhamento do aparelho extensor quando a causa for a instabilidade;

2. Microfratura associada a membrana para cobertura: realização de microperfurações (microfratura) no osso exposto (Grau 4) associado a cobertura do defeito com uma membrana, que contém e direciona a formação de um novo tecido que irá cobrir o defeito da cartilagem.

Procure seu ortopedista de confiança e avalie qual o tratamento mais indicado para o seu caso específico. Evite a automedicação. A condropatia patelar tem tratamento, procure ajuda!

Ver perfil

Matéria Por

Thiago Augusto Corrêa

Ortopedia e Traumatologia

CRM/MG 56.692 | RQE 37.306 | Uberlândia

Deixar Comentário