Como posso prevenir ou tratar o joanete ?

ESPECIAL CAPA

Como posso prevenir ou tratar o joanete ?

O joanete ou Hallux Valgus é uma deformação do pé que consiste no desvio da base do dedão do pé (Hallux em latim) para o exterior (valgus) e que se manifesta por uma saliência na parte interna do pé. É a doença mais comum do antepé e ocorre mais frequentemente entre 40 e 50 anos, em sua maioria mulheres (90%). Existem duas classes de causas para essa deformidade: as intrínsecas (ligadas à pessoa) e as extrínsecas (ligadas ao meio). Dentre as causas intrínsecas destacam- se os fatores genéticos (história familiar), doenças pré-existentes (artrite reumatóide ou outras doenças reumáticas), anatomia óssea do pé, frouxidão ligamentar entre outras.

Dentre as causas extrínsecas, o uso de calçados inadequados é um dos principais fatores com destaque para o sapato de salto alto e ponta fina. Também pode apresentar deformidades nos outros dedos do pé e calosidade. O exame físico é um fator determinante para a decisão do tipo de tratamento que o paciente necessitará. O exame radiográfico permite avaliação da deformidade e de outras que podem estar associadas e permite classificar a deformidade em leve, moderada ou grave. As formas não cirúrgicas de tratamento não corrigem o joanete. A única maneira de aliviar os sintomas é utilizar sapatos mais adequados a prática diária, seja no trabalho ou no esporte.

O uso de aparelhos para melhorar o posicionamento dos dedos e palmilhas podem aliviar parcial e provisoriamente os sintomas, porém não previnem e não corrigem a deformidade. O sucesso cirúrgico da correção depende de uma série de fatores que, quando avaliados em conjunto, permite ao ortopedista determinar qual é o método ideal para cada caso. A cirurgia tem bons resultados em 85% dos casos com o alívio da dor e diminuição da deformidade, sendo o objetivo principal da cirurgia a diminuição da dor e a estética como objetivo secundário. Há várias técnicas cirúrgicas e deve-se estabelecer critérios claros para indicar uma ou outra. As técnicas mais atuais dispensam o uso do gesso e a retirada de fios de aço após a cirurgia, são mais eficientes e propiciam uma reabilitação mais rápida e menos dolorosa. O apoio é permitido imediatamente após a cirurgia com o uso de uma sandália ortopédica que é mantida por 45 dias, em média, até a consolidação óssea.

Ver perfil

Matéria Por

Cinthia Monteiro Mendes

Ortopedia e Traumatologia

CRM/MG 42.502 | RQE 21463 | Uberlândia

Deixar Comentário