Bruxismo: do sono ou da vigília? Primário ou secundário?

ODONTOLOGIA

Bruxismo: do sono ou da vigília? Primário ou secundário?

Se você tem Bruxismo não deixe de ler!

Você já se pegou apertando, rangendo ou encostando seus dentes seja durante o sono ou até mesmo durante o dia? Você já percebeu que tem o hábito de manter sua mandíbula presa na mesma posição? Cuidado! Você pode ter Bruxismo! Bruxismo pode ser definido como uma atividade repetitiva da musculatura mastigatória, caracterizado por apertamento e ranger de dentes e/ou segurar ou empurrar a mandíbula. A presença desse hábito pode influenciar a qualidade de vida dos indivíduos, especialmente através de problemas dentários, como o desgaste dos dentes, fraturas freqüentes de restaurações odontológicas, agravamento das doenças periodontais e até mesmo pode estar associado à dor na região orofacial.

Muitos pacientes com bruxismo desconhecem a presença desse hábito podendo ser alertados pelo cirurgião-dentista - considerado o profissional responsável pelo diagnóstico e elaboração do plano tratamento quando necessário. Porém, não basta identificar a presença do Bruxismo é preciso classificá- lo corretamente de acordo com suas manifestações circadianas e etiologia. Recentemente, um consenso internacional de pesquisadores da área foi publicado e reforçou a clara necessidade da diferenciação do bruxismo de acordo com o ritmo circadiano: pode ocorrer enquanto se está acordado (bruxismo em vigília - BV) ou durante o sono (bruxismo do sono - BS).

A importância dessa diferenciação refere-se ao fato que ambas as condições, Bruxismo do Sono e da Vigília, apresentam fisiopatologia e tratamentos distintos. Em relação à etiologia, tanto o BS quanto o BV podem ser classificados em primário ou secundário. No bruxismo primário não é possível associar a presença do hábito a nenhuma condição identificável pelo profissional. Já em relação ao bruxismo secundário, existem inúmeros fatores que podem gerar ou agravar o hábito, dentre eles: condições como distúrbios do movimento como doença de Parkinson, refluxo gastroesofágico, distúrbios neurológicos (por exemplo, coma e hemorragia cerebelar), distúrbios psiquiátricos (por exemplo, estados demenciais e retardo mental), distúrbios respiratórios do sono como a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) e ainda o bruxismo pode ser associado ao etilismo, tabagismo, a ingestão de cafeína, uso de drogas como a cocaína, anfetamina e uso de inibidores seletivos da recaptação de serotonina (fluoxetina, sertralina) (ISRS) ou duais (venlafaxina) etc.

Um outro sistema de classificação foi apresentado recentemente e está em debate na literatura propondo classificar o bruxismo baseado em suas possíveis consequências clínicas no contexto individual. Os sistemas de classificação repercutem diretamente nas estratégias de controle do Bruxismo. Antes de propor uma modalidade de tratamento é preciso conhecer com profundidade a condição a ser tratada. Consulte com um cirurgião-dentista especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial para que ele direcione o tratamento mais apropriado.

Ver perfil

Matéria Por

NAILA APARECIDA DE GODOI MACHADO

Odontologia

CRO/MG 35495 | Uberlândia

Deixar Comentário