ESPECIAL CAPA

Lesão nos tendões do ombro

O manguito rotador é um conjunto de 4 tendões responsáveis pelo movimento da articulação do ombro. São eles o tendão do músculo supraespinal, do infraespinal , do subescapular e redondo menor. As lesões desses tendões são muito frequentes; desde sua inflamação, conhecida como tendinite, até a ruptura do mesmo. As rupturas são mais frequentes na faixa etária entre 40 a 60 anos. As rupturas em sua maoria são degenerativas (envelhecimento natural do tendão) ou traumáticas nos pacientes mais jovens. Portanto, as lesões degenerativas aumentam sua incidência quanto maior a idade do paciente. As lesões do manguito rotador são a causa mais frequente de dor nas atividades do dia-a-dia, acomentendo em sua maioria mulheres e o membro dominante. Um bom exame físico pode já direcionar o diagnóstico e para confirmar a suspeita, um ultrassom ou uma ressonância magnética do ombro podem confirmar e detalhar a lesão. As ruturas podem ser parciais de baixo grau, quando acomentem menos que 50% da espessura do tendão; ou de alto grau, quando acometem mais de 50%. Essas lesões devem ser tratadas inicialmente de maneira conservadora com medicação e fisioterapia, sendo que as parciais de baixo grau têm melhores taxas de sucesso com tratamento conservador. Quando ocorre falha do tratamento conservador ou as rupturas são totais está indicado o tratamento cirúrgico que é realizado por artroscopia, por vídeo, minimamente invasivo. É fundamental uma boa integração entre o médico e o fisioterapeuta que vai conduzir tanto o tratamento conservador quando não há necessidade de cirurgia, quanto a reabilitação pré e pós-operatória do paciente. Quanto maior a troca de informações, maior o êxito.

Uma dúvida frequente é se o paciente de idade deve operar? - A resposta é sim. Por ser uma lesão que ocorre com maior frequência na terceira idade e por limitar muito a qualidade de vida do paciente, o mesmo deve procurar o tratamento mais efetivo para sua lesão se estiver indicado a cirurgia. Uma avaliação rigorosa com o cardiologista e anestesista serão realizadas para garantir um procedimento o mais seguro possível.

“Doutor e se eu não operar?” – O que ocorre é que o tendão vai atrofiando com o passar do tempo até chegar num ponto em que não é mais possível o reparo do mesmo. Nesse momento, o paciente começa a desenvolver uma artropatia do manguito rotador, que seria uma artrose/desgaste da articulação com aumento progressivo da dor e limitação dos movimentos. Nessa perspectiva, o tratamento se torma mais agressivo sendo indicada uma prótese de ombro quando o desgaste está avançado.

O importante é que o paciente procure o auxílio de um especialista em ombro o quanto antes, para uma avaliação e diagnóstico precisos para que o melhor tratamento seja instituído a fim de se prevenir uma cirurgia. E caso uma cirurgia seja indicada, esclareça todas as dúvidas com seu especialista.

Ver perfil

Matéria Por

Cassiano Diniz Carvalho

Ortopedia e Traumatologia

CRM/MG 44236 | RQE: 30646 | Uberlândia

Deixar Comentário

Outras MATÉRIAS