ANESTESIOLOGIA

O papel do Médico Especialista em Dor

Muitos desconhecem o papel do anestesiologista especialista em dor. Mas a verdade é que o trabalho do anestesista não se limita somente a sedação em cirurgias como todo mundo pensa. Atualmente essa especialidade pode proporcionar uma melhora no bem-estar e na qualidade de vida dos pacientes que sofrem com dores. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Estudos para a Dor (SBED), o percentual médio de pessoas afetadas por algum tipo de dor crônica no Brasil é de 15% a 40%.

Mas o que é dor crônica?

A dor crônica é definida como a dor que persiste ou recorre por mais de 3 meses, ou a dor associada a lesão tecidual que se espera continuar ou evoluir; alguns autores definem a dor crônica como aquela com duração de 6 meses ou mais. Acomete 1 entre 5 adultos; aumenta com a idade e atinge mais as mulheres.

Como se manifesta a dor crônica?

A dor crônica, quando presente, comporta-se como uma doença em si. Imobilidade, depressão, alterações do sono, problemas nutricionais, dependência de medicamentos, incapacidade para o trabalho, ansiedade, são algumas das complicações que podem acompanhá-la. Outros sintomas também relatados por pacientes são diminuição do desejo sexual e alteração do apetite. Além disso, frequentemente pode afetar a capacidade de uma pessoa realizar tarefas associadas à vida diária, ao trabalho e à sua função como membro da comunidade. Um fator importante é que os pacientes com dor crônica podem ser relativamente não responsivos às medicações analgésicas.

Quais são os tratamentos?

Bomba intratecal - o sistema de bomba de infusão intratecal de morfina consiste num cateter implantado na região da coluna, que libera quantidades muito pequenas de morfina junto ao líquido que envolve a medula espinhal. Este cateter é conectado a um reservatório que fica implantado na região abdominal embaixo da pele. Periodicamente, o reservatório é reabastecido através de uma pequena punção do mesmo.

Bloqueio - de maneira resumida, o Bloqueio consiste em interromper impulsos sensoriais de uma região do corpo específica, diminuindo ou até eliminando por completo a dor. Geralmente são realizados com uso de um método de imagem, como raio-x ou ultrassonografia, de forma que se possa infiltrar estruturas específicas de maneira mais precisa e segura.

Radiofrequência - procedimento moderno e seguro, cada vez mais utilizado no tratamento de diferentes tipos de dores, sendo considerado em muitos casos como uma alternativa a procedimentos mais invasivos. Funciona, com uma corrente elétrica de alta frequência (500.000 Hz) que é produzida por um aparelho chamado gerador de radiofrequência. A onda é transmitida através de um cabo até um eletrodo que é colocado dentro de uma agulha. A agulha é inserida através da pele do paciente. A onda de radiofrequência, que percorre o eletrodo até a ponta da agulha, queima o nervo, impedindo que ele conduza o sinal da dor até o cérebro.

Toxina Botulínica - Sabemos que os efeitos da toxina botulínica são atribuídos ao bloqueio da liberação de acetilcolina das vesículas pré-sinápticas, mas estudos recentes sugerem outros mecanismos mais complexos para o efeito analgésico da neurotoxina, que vão além do simples relaxamento muscular, mas eventuais influências indiretas nos mecanismos centrais da dor. A injeção subcutânea de toxina botulínica inibe, de forma dose-dependente, a dor de origem inflamatória, através da redução da liberação do glutamato (um aminoácido que age como neurotransmissor excitatório na resposta inflamatória) nos receptores sensoriais periféricos relacionados à percepção da dor.

Conviver com a dor é extremamente desgastante. Caso identifique algumas formas de dor crônica procure um especialista que entenda a doença e faça o encaminhamento correto.

Ver perfil

Matéria Por

João Henrique Araújo

Anestesiologia

CRM/SC 15966 RQE 10795 RQE 13313 | Criciúma

Deixar Comentário

Outras MATÉRIAS