Câncer de Próstata. Mitos e Verdades

UROLOGIA

Câncer de Próstata. Mitos e Verdades

Aproveitando a aproximação do mês de novembro – mês da conscientização sobre o Câncer de Próstata – resolvemos desvendar alguns mitos e, com isso, ajudar a esclarecer alguns pontos polêmicos e duvidosos sobre a doença.

1. O Câncer de Próstata é um tipo comum de câncer?

O Câncer de Próstata é o tipo mais comum de neoplasia em homens (excluindo câncer de pele não melanoma) e estima-se que 1 em cada 6 homens irão desenvolvê-lo.

2. O Câncer de Próstata, geralmente, é um tipo de câncer menos agressivo?

Em geral, este câncer tem crescimento lento e silencioso, podendo levar anos (até décadas) para se manifestar. No entanto, uma minoria dos casos pode apresentar comportamento agressivo de rápida evolução. Com a introdução na década de 90 do “antígeno prostático específico, o PSA (exame de sangue) – o diagnóstico da doença ficou mais fácil e precoce, reduzindo as mortes pela doença.

3. Geralmente, o Câncer de Próstata não provoca sintomas significativos no homem?

É verdade. Devido seu crescimento lento, nos estágios iniciais, o câncer de próstata não apresenta sintomas. Com a evolução, o tumor cresce, pode haver obstrução da urina, com sangue na urina e até no sêmen. Em casos mais avançados do tumor disseminado, o paciente pode apresentar sintomas de fraqueza, mal-estar, falta de apetite e dores ósseas (local mais comum de metástases do câncer de próstata). Por tais fatos, a investigação preventiva anual é muito importante, para detectar a doença no começo e, assim, tratá-la com grande possibilidade de cura.

4. Quando a próstata tem seu volume aumentado, não necessariamente indica a presença de um câncer?

Sim. O câncer de próstata pode ocorrer independentemente do volume do órgão. Existe uma doença benigna chamada “HIPERPLASIA DE PRÓSTATA” – popularmente chamada de “próstata aumentada ou inchada” – que ocorre na mesma época da vida do homem. Esta doença pode provocar sintomas relacionadas ao ato de urinar – jato preso, lento, dificuldade de iniciar micção, aumento da frequência das micções e até aumento das micções noturnas. Como ambas as doenças surgem na mesma época da vida – por volta dos 45-50 anos de idade - é essencial que o homem tenha um urologista para acompanhar sua saúde, diferenciando e tratando cada doença adequadamente.

5. O exame de toque só é necessário se o exame de sangue (PSA) tiver alterado?

Não é verdade. Nem todo câncer de próstata faz o PSA aumentar. Existe uma porcentagem de pacientes que descobrem a doença apenas pelo exame de toque, mesmo tendo exame de PSA normal. Este número de pacientes pode chegar a até 20%. Existe muito tabu e preconceito com o exame, no entanto, ele é rápido, indolor e traz muitas informações ao urologista – tamanho da próstata, presença de inflamação e áreas suspeitas para tumor. A análise mais completa para se investigar a presença do câncer de próstata é baseada em 3 pilares: entrevista clínica, o PSA e o exame físico.

6. Quais são os fatores de risco para o câncer de próstata?

Hoje há 2 fatores de risco: A história familiar e a idade. Nos afrodescendentes há uma maior incidência da doença.

7. Os exames de rotina são a melhor forma de prevenir o câncer de próstata?

Sim, eles permitem descobrir a doença nos estágios iniciais, com grande possibilidade de cura. A melhor prevenção para o câncer em geral, incluindo o de próstata é a manutenção de hábitos saudáveis de vida – alimentação balanceada, exercícios físicos regulares e controle das doenças existentes. Portanto, se você for homem e tem mais de 45 anos de idade, procure um urologista e faça sua prevenção!

Ver perfil

Matéria Por

Gustavo Calais

Urologia

CRM/MT 10022 RQE 4588 | RQE 4587 | Sorriso

Deixar Comentário