Ultrassonografia morfológica fetal de primeiro trimestre: por que fazer?

ULTRASSONOGRAFIA

Ultrassonografia morfológica fetal de primeiro trimestre: por que fazer?

Por que devo fazer este exame?
• Confirmar a gravidez
• Verificar o batimento cardíaco fetal
• Determinar a idade gestacional do bebê
• Verificar se é uma gravidez múltipla (gêmeos)
• Examinar placenta, útero, ovários e colo do útero
• Avaliar o crescimento e desenvolvimento do feto
• Analisar a morfologia fetal (procurar malformações detectáveis no primeiro trimestre da gravidez)
• Realizar o rastreio de anormalidades cromossômicas (ex: Síndrome de Down)
• Avaliar o risco de pré-eclâmpsia.

Os exames ultrassonográficos morfológicos têm basicamente os mesmos objetivos, independente do período da gravidez. No entanto, o de primeiro trimestre tem um rastreio cromossômico de sensibilidade mais alta, por isso é utilizado para a avaliação do risco de doenças cromossômicas, como Síndrome de Down. É realizado entre 11 a 13 semanas e 6 dias (cerca de 3 meses), e pode ser feito por via abdominal e, quando necessário, via endovaginal. Neste período, todo bebê tem um espaço com líquido na região da nuca, chamada de translucência nucal (TN). Sabe-se que a maioria (mas não todos) dos bebês com Síndrome de Down apresentam a TN aumentada nesse período da vida. A medida do osso nasal também é um marcador das alterações cromossômicas, uma vez que bebês com ossos nasais pequenos ou ausentes nesse período são mais propensos a apresentarem cromossomopatias. Por se tratar de um exame de rastreio, e não de diagnóstico, as medidas obtidas pela ultrassonografia morfológica não são definitivas para dizer que o feto apresenta alguma síndrome cromossômica - elas oferecem apenas uma probabilidade, que pode ser grande ou pequena. Resultados anormais devem ser investigados com outros tipos de exames.

 

Ver perfil

Matéria Por

Elise Werner Dias Carmo Aguiar

Médica

CRM/GO 16.857 | RQE 166990 | Rio Verde

Deixar Comentário