A importância do diagnóstico correto nas feridas crônicas de pele

INFECTOLOGIA

A importância do diagnóstico correto nas feridas crônicas de pele

Você já se perguntou de onde veio o nome CURATIVO? Curativo vem da palavra CURAR, que vem do latim, cürare, que significa cuidar, curar, tratamento. Sempre que pensamos em curativo, nos vem a imagem de uma cobertura protetora para um machucado, porém a função do curativo pode ser também a de tratar. Isso acontece através da aplicação correta de determinados produtos que proporcionam a limpeza, estimulam a cicatrização, matam os agentes infecciosos locais e ajudam na epitelização (fechamento) da ferida.

Com isso, você já pode estar imaginando: quando o médico vai tratar uma pessoa ele precisa saber qual doença o paciente tem para poder dar o remédio correto. Quando aparece uma alteração na nossa pele, devemos procurar o médico para que ele faça o diagnóstico e prescreva o tratamento. Quando uma lesão vira uma ferida e não cicatriza, precisamos saber porque isso está acontecendo. Assim, é fundamental saber a origem da ferida para iniciarmos o tratamento correto.

Existem várias causas de feridas crônicas, tais como: leishmaniose, câncer de pele, úlceras vasculogênicas, vasculites, úlcera em pé diabético, lesão por pressão em pessoas acamadas (“escaras”), pênfigo, entre outras. Algumas delas podem ser tratadas apenas com agentes locais, outras necessitam de remédios via oral ou, até mesmo, endovenoso. O retardo na cicatrização pode resultar de diversos fatores como condição de higiene, nutrição (alimentação), hidratação da pele, tabagismo, etilismo e doenças tratadas inadequadamente, como diabetes, hipertensão arterial, gota, vasculites. Além disso, o processo de cicatrização muda conforme a idade. Nos extremos de idade, ela pode ser mais difícil, além da pele desses indivíduos apresentar características próprias.

Ver perfil

Matéria Por

Plinio Torres Braga Netto

Médico

CRM/GO 12440 | Rio Verde

Deixar Comentário