Alfabetização pelo Método das Boquinhas: uma neuroalfabetização

O Método das Boquinhas foi aprovado como Tecnologia Educacional pelo MEC (2009 a 2012) e tem sido atestado como eficiente para alfabetizar e recuperar a alfabetização de crianças, jovens ou adultos, contribuindo para o aumento no IDEB de muitos municípios.

Sua fundamentação teórica é de base multissensorial, fônica-vísuo-articulatória (alfabetização pelo córtex motor pré- -frontal), propiciando rapidez e segurança na associação do fonema ao grafema uma vez que é uma Metodologia Sintética, Concreta e Sinestésica e acrescenta o diferencial do articulema (boquinha), contribuindo para o real aprendizado e recuperação da leitura e escrita. Pode ser usada na íntegra, como Metodologia adotada pela escola, ou apenas como uma ferramenta de trabalho para a conversão grafofonêmica de algumas crianças.

Em 2006 a ONU adotou a Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência com o intuito de assegurar igualdade real de oportunidades e possibilitar uma participação plena e efetiva na sociedade, defendendo a educação inclusiva do ensino fundamental ao superior, treinamento profissional e educação continuada. De acordo com Vigotsky (1984, 1989), Boquinhas acredita que as crianças que apresentam algum distúrbio de aprendizagem devam estudar por mais tempo, que sejam respeitadas suas limitações, que recebam a quantidade de trabalhos adequada ao seu potencial e às suas habilidades singulares. Mas que aprendam as mesmas coisas que todas as crianças, que recebam o mesmo preparo para a vida futura a fim de que possam, posteriormente, participar com o mesmo grau e em pé de igualdade com todos.

A proposta do Método das Boquinhas vem atender a esta demanda, uma vez que propõe o ensino pautado na mesma metodologia, ou técnica, para todos do grupo, independentemente, de possuírem ou não alguma necessidade específica, o que contribui significativamente para a proposta de educação inclusiva.

O Método é de fácil aplicabilidade e compreensão e tem sido utilizado em salas de aula com todas as crianças, alunos comuns e outros com trocas de letras, trazendo grande e positivo impacto sobre os resultados na aprendizagem e autoestima do professor e do aluno, desde as séries iniciais até o grupo da EJA. Resultado semelhante tem sido observado na terapêutica clínica.

Boquinhas tem apresentado resultados até mesmo com aqueles alunos que apresentam algum tipo de dificuldade ou distúrbio. Por ser multissensorial ainda que haja o comprometimento de algumas vias de entrada de informação, a metodologia consegue atingir os alunos por outras vias que estejam mais desenvolvidas. Esse é o trabalho de Boquinhas, permite que essa criança se sinta incluída e avance no processo de aprendizagem, fazendo uso de sua boca.

Boquinhas faz de todos, educadores, pois não só os professores, mas os fonoaudiólogos, psicólogos, familiares, cuidadores estão aptos a aplicar esta metodologia fácil e segura porque também temos uma boca. Até mesmo os próprios alunos se ajudam, pois por meio de suas “boquinhas” eles passam a conhecer e dominar a linguagem oral e escrita, adquirindo autonomia e autoria no seu processo de aprendizagem. Assim, com certeza os resultados virão!

Leve Boquinhas para a sua escola, para a sua cidade!

Ver perfil

Matéria Por

Lidiane Tavares P. Batista

Fonoaudiologia

CRFª 5-7974-8 | Porto Velho

Ver perfil

Matéria Por

DAIANE P. DE MELLO MAGALHÃES

Fonoaudiologia

CRFª 5-10232 | Porto Velho

Deixar Comentário

Outras MATÉRIAS