Alergias da primavera

ALERGOLOGIA

Alergias da primavera

Com a chegada da primavera, o número de casos de alergia aos pólens podem aumentar. As manifestações clínicas mais comuns são crises de asma e rinite alérgica, com impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes. As crianças e adolescentes são os mais prejudicados, especialmente aqueles que já sofrem de alergia e não realizam tratamento adequado. Na região Sul do Brasil, no período da primavera (meses de setembro, outubro, novembro), é muito comum pessoas com queixas de alergias, isso ocorre porque no Sul do Brasil as estações do ano são bem definidas, com um inverno extenso e rigoroso, de baixas temperaturas, produzindo uma primavera exuberante. São os pólens de plantas (principalmente de gramas , algumas árvores, flores) que se depositam na pele, principalmente de nariz, olhos e garganta, são os principais responsáveis das causas das alergias. As maiores concentrações dos pólens no ar ocorrem no período da manhã, diminuindo no decorrer do dia e aumentando no período vespertino. Os dias de chuva e neblina são de alegria para os sofredores de doença polínica, pois não existem condições favoráveis dos pólens circularem no ar.

Sintomas de alergia ao pólen:
• Espirros frequentes;
• Coceira no nariz, olhos, garganta;
• Olhos vermelhos, lacrimejando;
• Nariz trancado, nariz pingando;
• Tosse seca.

Dicas para evitar reações alérgicas:
• Lavar o nariz com soro fisiológico várias vezes ao dia;
• O uso de óculos de sol (para diminuir o contato do pólen com os olhos);
• Forrar colchões e travesseiros com capa impermeável;
• Evitar carpetes, cortinas , bichos de pelúcia, caixas de papelão, principalmente no quarto de dormir;
• Limpar a casa com pano úmido ao invés de vassouras e espanadores;
• Evitar passear em jardins, clubes de campo, sítios, em dias muito ensolarados e com muito vento;
• Consultar um médico alergista para indicar o diagnóstico e tratamento apropriado.

Ver perfil

Matéria Por

Tatiana Donadello Gava

Alergologia e Imunologia

CRM/PR 20.162 RQE: 19990 | Ponta Grossa

Deixar Comentário