Nódulo na Tireoide: Como proceder?

Nódulo na Tireoide: Como proceder?

O que são nódulos de tireóide e por que aparecem? Nódulos tireoidianos são alterações anatômicas da glândula tireóide decorrentes do agrupamento de células da própria glândula e que apresentam- se como formações sólidas ou sólido císticas( com componente líquido associado). São achados comuns, ao exame clínico ou através da realização de ultrassonografia, sendo mulheres e idosos mais propensos ao seu aparecimento. Podem ainda ser encontrados em membros de uma mesma família. Não se sabe exatamente o que causa a maioria desses nódulos, mas condições como deficiência de iodo, tireoidites( mais comumente a tireoidite crônica ou de Hashimoto) podem estar associadas.

Como são diagnosticados os nódulos tireoidianos? Os nódulos tireoidianos podem ser percebidos pelo próprio paciente desde que volumosos e portanto visíveis ao engolir, mas geralmente são encontrados durante palpação do pescoço por um médico ou por meio de ultrassonografia de tireóide.

Quais são os sintomas? Normalmente os nódulos não provocam sintomas exceto quando são grandes e acabam por pressionar estruturas no pescoço, levando a dor, rouquidão, dificuldade de engolir ou respirar. Existem casos em que o próprio nódulo produz excesso de hormônios tireoidianos, levando ao aparecimento de sintomas como palpitações, tremores, suor excessivo, nervosismo e perda de peso.

Os nódulos são perigosos? A grande maioria, em torno de 90%, são benignos, entretanto, podem ser cancerosos, cerca de 8% em homens e 4% em mulheres, sendo o risco maior em jovens( < 20 anos) ou idosos( > 70 anos) , naqueles com história de exposição à radiação no pescoço ou história familiar de câncer de tireoide.

Como são feitos o acompanhamento e tratamento dos nódulos? São as características do nódulo à ultrassonografia associadas ao risco do paciente de desenvolver um nódulo canceroso que indicam a necessidade de investigação do mesmo. Nódulos considerados suspeitos para malignidade devem ser puncionados( punção aspirativa por agulha fina) embora antes seja necessária a realização da função tireoidiana para descartar nódulos hiperfuncionantes( que produzem hormônios tireoidianos em excesso). Os nódulos considerados não suspeitos ou os suspeitos que tenham sido puncionados mas com resultado benigno, podem ser acompanhados através de exame físico e ultrassonografia de tireóide a cada 6-12meses; no caso dos nódulos puncionados cuja biópsia mostrou-se suspeita ou positiva para câncer de tireóide, está indicada a remoção cirúrgica da glândula.

Tenho um nódulo na tireóide. O que fazer? Procure um endocrinologista para adequada avaliação, seguimento e tratamento.

Ver perfil

Matéria Por

Júlia Torella

Endocrinologia e Metabologia

CRM/RN 7292 | RQE: 1561 | Natal

Deixar Comentário