MMP® Microinfusão de Medicamento na Pele: uma técnica inovadora em dermatologia.

MMP® Microinfusão de Medicamento na Pele: uma técnica inovadora em dermatologia.

Vários problemas que afetam a pele tais como: alopecia androgenética (calvície masculina e feminina), envelhecimento, leucodermia gutata (manchinhas brancas do sol), queloide (cicatrizes alargadas), estrias, melasma (manchas escuras no rosto), seringomas (pequenas bolinhas abaixo dos olhos), verrugas e até psoríase, exigem cuidados e estudos constantes para resolvê-los ou amenizar seus efeitos.

Com essa finalidade, o dermatologista brasileiro, Samir Arbache, desenvolveu uma técnica que permite a introdução de medicamentos estéreis no local adequado de ação tornando o tratamento mais eficaz, rápido e praticamente indolor. A medicação é introduzida na pele através de uma máquina que utiliza microagulhas, em um movimento de vai e vem, com velocidades e profundidades adequadas para que possa agir no local ideal para tratar as doenças de pele.

No tratamento da alopecia androenética, por exemplo, onde essa técnica tem tidos os resultados mais consistentes, a aplicação é feita na área afetada do couro cabeludo sob anestesia local, com intervalo mensal. A quantidade de sessões necessárias depende do estágio da queda capilar.

No caso das manchas brancas nos braços e pernas causadas pelo sol (leucodermia gutata) a MMP irá provocar um estímulo ao retorno da pigmentação natural da pele, obtendo uma resposta que já pode ser observada em torno de duas semanas após a aplicação. Além disso, nesse caso não há necessidade de anestesia e o tratamento é muito bem tolerado, apenas com um leve desconforto. Antes da introdução do MMP essas manchas tinham difícil resolução.

As cicatrizes hipertróficas e os queloides também podem ser tratadas com a MMP utilizando medicamentos que atuam diminuindo a altura, rigidez e alargamento dessas cicatrizes, além de um retorno à cor natural da pele.

Também são tratáveis por MMP o envelhecimento da pele, estrias, melasma (manchas escuras no rosto), seringomas (pequenas bolinhas abaixo dos olhos), verrugas e até psoríase.

É importante destacar que esta técnica exige conhecimentos específicos para ser realizada e por essa razão recomenda-se que os pacientes procurem dermatologistas que sejam sócios da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Ver perfil

Matéria Por

Daniela Cristina Caetano Maia

Dermatologia

CRM/RN 6030 | RQE 2004 | Natal

Deixar Comentário