A Pele e o Sol

A Pele e o Sol

Os raios ultravioletas do sol (UVA e UVB) são responsáveis por 90% dos cânceres de pele e também pelas manchas, rugas, telangiectasias (vasinhos) e envelhecimento precoce da pele. Podem acometer qualquer área fotoexposta, porém esses efeitos são encontrados com maior frequência na face.

As manchas e sinais aos olhos leigos muitas vezes parecem semelhantes, porém é importante a avaliação de um profissional habilitado, médico dermatologista, pois existem manchas de diversas causas que acometem camadas diferentes da pele, apresentando, portanto, tratamentos completamente distintos.

O melasma é caracterizado por manchas amarronzadas, de limites mal definidos que ocorrem principalmente na face em bochechas, testa e buço de mulheres jovens. Vários fatores estão envolvidos na causa como: exposição solar, uso de anticoncepcionais orais, exposição diária à fonte de luz(lâmpadas e computadores), hormônios e medicamentos.

Após adquirir as manchas, nem tudo está perdido. Graças a tecnologias e diversos avanços na dermatologia, dispõe-se de diversas opções terapêuticas com resultados excelentes, associando o tratamento domiciliar com uso de clareadores e filtros solares físicos com pigmentos.

Outra novidade que tem tido excelentes resultados são os fitoterápicos orais com efeito anti-inflamatório agindo como um “calmante” para essa pele hiper-reativa. Porém, uso isolado de cremes não basta para atingir excelentes resultados. Para o sucesso do tratamento a associação de métodos como: peelings superficiais seriados, laser e IPCA( Indução Percutânea de Colágeno) são fundamentais.

As melanoses solares conhecidas popularmente como manchas senis, são manchas que variam de marrom claro ao escuro e podem apresentar de milímetros a centímetros, bem delimitadas e que acometem principalmente face, braços e dorso das mãos. O tratamento domiciliar com clareadores associado a peelings médios seriados, laser e a luz pulsada apresentam bons resultados, trazendo um aspecto de pele jovem e saudável.

As telangiectasias são dilatações de pequenos vasinhos da pele, tornando-os visíveis a olho nu, trazendo muitas vezes o aspecto enrubescido, o que acaba constrangendo muitas vezes o paciente. Podem estar associadas a exposição solar prolongada, uso de pomadas de corticoide e a rosácea, uma doença inflamatória crônica que se caracteriza por rubor facial, vasinhos na pele e as vezes pápulas(semelhante a espinha). A rosácea apresenta como fatores desencadeantes a exposição solar, bebidas alcoólicas, cosméticos inadequados e estresse. Para o controle adequado é importante associar medidas de prevenção aos fatores que desencadeiam a doença, medicamentos específicos de controle e uso de tecnologia como a luz pulsada e o laser para tratar do eritema(vermelhão) e das telangiectasias.

O uso diário de medidas de fotoproteção (protetores solares, roupas, chapéus e guarda-chuvas), assim como consulta regular ao médico dermatologista são importantes condutas para se obter uma pele saudável e bonita.

Ver perfil

Matéria Por

Tatiana Maia

Dermatologia

CRM/RN 5430 | RQE 1427 | Natal

Deixar Comentário