Precisão Diagnóstica e Eficiência na Avaliação do Labirinto

FONOAUDIOLOGIA

Precisão Diagnóstica e Eficiência na Avaliação do Labirinto

Cerca de 85% das tonturas são de origem labiríntica. Pode se manifestar como sensação de flutuação, afundamento, oscilação, instabilidade, cabeça oca, cabeça pesada, atordoamento, impressão de desvio do corpo para um dos lados, impressão de queda. Entre os tipos mais comuns está a vertigem, caracterizada pela sensação de rotação.

A Função do labirinto

O labirinto, também conhecido como ouvido interno, reúne as funções da audição e do equilíbrio e serve para manter o equilíbrio do nosso corpo, juntamente com os olhos, as articulações, os tendões e os músculos. Essa complexa interação informa o cérebro se estamos parados, andando caindo, girando, inclinando. Quando um ou mais sistemas enviam uma informação conflitante para o cérebro surge a desorientação e a tontura. Na América, aproximadamente 90% dos indivíduos com mais de 65 anos procuram um médico, ao menos uma vez, com queixa de vertigem. Pacientes com queixas como vertigem, alterações de equilíbrio e zumbido são candidatos a uma avaliação otoneurológica (exames que avaliam a função do labirinto e do ouvido).

Quais são os principais exames que avaliam o labirinto?

• Exame da audição (audiometria e imitanciometria): avalia a audição, pois o labirinto está intimamente ligado ao nosso sistema auditivo.

• Vectoeletronistagmografia (VENG) e a Videonistagmografia Infravermelha (VNG) são testes que avaliam indiretamente a função vestibular através da observação dos movimentos oculares, confirmam se o problema é ou não do labirinto, bem como o lado lesionado. A prova bitermal estimula as orelhas com ar ou água quente e fria, é um estímulo não fisiológico que avalia apenas o canal semicircular lateral e pode desencadear tontura durante o exame.

• Vídeo Frenzel: trata-se de um óculos com câmera infravermelha colocado sobre os olhos do paciente, capaz de registrar os movimentos dos olhos involuntários e rápidos durante a crise vertiginosa, principalmente quando o indivíduo muda a posição da cabeça.

• Potencial Evocado Miogênico Vestibular (VEMP) exame promissor para a avaliação do funcionamento labiríntico, é o único recurso existente para avaliar a função do sáculo e da divisão inferior do nervo vestibular (que compõem o labirinto). É um exame rápido, indolor, em que utiliza o som para estimular o labirinto. Também raramente irá desencadear tontura.

• v-HIT (vídeo-Head Impulse Test ou Teste do Impulso Cefálico por vídeo), novo exame que veio para melhorar a avaliação do labirinto tem precisão padrão ouro e contribui muito para o diagnóstico e acompanhamento de pacientes com queixas de vertigens e tonturas.

Várias são as suas vantagens:

• É o único teste que avalia todos os seis canais semicirculares independentemente e com estímulo fisiológico que se assemelha aos movimentos realizados diariamente, como: atravessar a rua, olhar rapidamente para os lados.

• É um exame rápido, fácil realização até mesmo em crianças e, principalmente, raramente o paciente irá sentir tontura ou náuseas.

• A tendência é que este exame venha a substituir o teste calórico, tornando o exame do sistema vestibular mais confortável e tolerável.

• O v-HIT em combinação com o VEMP consegue avaliar todos os 5 órgãos que compõem o labirinto de ambos os lados sem causar desconforto, mal-estar e tontura no paciente. Assim, conseguimos através de testes precisos, mais confortáveis e rápidos, avaliar todos os órgãos sensoriais do labirinto e saber de forma mais precisa o local da lesão do labirinto, possibilitando um melhor diagnóstico e consequentemente um tratamento mais eficaz.

Ver perfil

Matéria Por

Marcia Bongiovanni

Fonoaudiologia

CRFA: 7399-PR | Londrina

Deixar Comentário

Outras matérias desse profissional