Laserterapia no tratamento de feridas

ENFERMAGEM

Laserterapia no tratamento de feridas

O tratamento de feridas consiste em realizar um planejamento individualizado através de diversos métodos terapêutico, acompanhando a evolução da ferida. Uma forma de tratamento não invasivo para auxiliar no fechamento de feridas é o laser de baixa intensidade. Esta nova modalidade terapêutica vem sendo empregada recentemente, devido à sua eficiente ação anti-inflamatória e analgésica, ajudando no processo de cicatrização.

O tratamento com laser

O tratamento com laser, tendo seus parâmetros (dose, tempo e comprimento de onda) adequados para cada estágio da lesão, é um método rápido e eficaz, podendo ser feito em todas as idades. O número de sessões é variável de acordo com o tipo e tamanho da ferida. As sessões podem ser frequentes de 2 a 3 vezes por semana. Destaca-se que a sua aplicação é indolor e atérmica, ou seja, o paciente não sente nenhum desconforto.

Exemplos de lesões que podem ser tratadas

• Traumas;
• Pós operatórios cirúrgicos (Ex: cirurgias ortopédicas, cirurgias plásticas, etc);
• Pé diabético;
• Úlceras vasculares (arteriais e venosas);
• Lesões por pressão (escara);
• Queimaduras.

Indivíduos que possuem feridas (ou úlcera) crônicas são afetados diretamente na qualidade de vida. Não estar dentro dos padrões, muitas vezes implica em discriminação, preconceito e isolamento social. Uma das maiores dificuldades é que essas lesões podem durar vários anos. Portanto, é necessário a existência de um suporte adequado para atender esses indivíduos, oferecendo um cuidado integral, admitindo que, por trás de uma ferida, existe um ser humano necessitando de amparo e acompanhamento profissional. A resolução do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) nº 0501/2015 regulamenta a competência da enfermeira em prescrever medicamentos e/ou coberturas utilizados na prevenção e no cuidado a feridas. A prática no cuidado ao paciente portador de feridas é uma especialidade reconhecida pela Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (SOBEND) e pela Associação Brasileira de Estomaterapia (SOBEST).

Matéria Por

ÉRICA B. L. MORALES

Enfermagem

COREN/PR 283.832 | Londrina

Deixar Comentário