Suas olheiras te incomodam? Saiba quais os tipos de olheiras e o melhor tratamento para cada caso.

DERMATOLOGIA

Suas olheiras te incomodam? Saiba quais os tipos de olheiras e o melhor tratamento para cada caso.

A pele que cobre a área dos olhos é muito delicada, tem apenas 0,4 mm de espessura, enquanto a do corpo mede 2 mm e um acúmulo extra de melanina (pigmento que dá cor à pele) ou de vasinhos arroxeados nessa região acaba transparecendo facilmente na forma de olheiras.

Na maioria das vezes, são genéticas, no entanto, os maus hábitos também contribuem para o aparecimento da hiperpigmentação periorbital. As olheiras também podem surgir devido a goteira lacrimal profunda, quando, na região abaixo dos olhos, surge uma espécie de sulco, formando uma sombra local. Além disso, o envelhecimento também contribui para o desenvolvimento das olheiras, pois a pele da região torna-se mais fina, flácida, com o surgimento de rugas e acúmulo de bolsas de gordura locais.

Para saber qual a melhor forma de controlar e tratar as olheiras é preciso identificar qual o tipo da alteração presente, de acordo com os fatores causadores do seu surgimento.

Tipos de olheiras:

• Pigmentar: é a olheira causada pelo excesso do depósito de melanina na pele. Geralmente, esse tipo de olheira apresenta uma cor amarronzada e costuma aparecer em pessoas de fototipo alto, com tendência genética para o desenvolvimento de olheiras ou com rinite alérgica.

• Estrutural: esse é o tipo de olheira que se caracteriza pela presença de uma goteira lacrimal profunda (sulco) ou pela falta de tecido abaixo dos olhos.

• Vascular: é causada pelo acúmulo de hemossiderina ou pelo aumento de vasos sanguíneos na região dos olhos. Esse tipo de olheira caracteriza-se por tons azulados, arroxeados ou avermelhados, devido à coloração do pigmento sanguíneo, e tendem a aparecer após uma noite de sono ruim ou em pessoas que estão cansadas, além de piorarem com quadros de rinite alérgica, tabagismo e retenção de líquido.

• Mista: é o tipo mais comum de olheira e acontece quando há a soma de um ou mais fatores.

Tratamento

A melhor forma de atuar no combate e diminuição das olheiras, independentemente do tipo, é através da adoção de hábitos saudáveis, como sono adequado, alimentação balanceada e hidratação cutânea. Mas se as olheiras não sumirem ou estiverem causando muito incômodo, o ideal é procurar um dermatologista que indicará o melhor tratamento para o seu caso.

Olheiras que apresentem tons mais escuros e amarronzados geralmente são tratadas com peelings ou lasers que possibilitam o clareamento da área abaixo dos olhos, podendo ser feitos em sessões semanais ou quinzenais. As olheiras profundas apresentam como tratamento ideal o preenchimento com ácido hialurônico, técnica que tem o objetivo de nivelar a pele abaixo dos olhos, dando volume à área, reduzindo a sombra da goteira lacrimal, com resultados visíveis em poucos dias. As olheiras vasculares são mais difíceis de tratar, no entanto, podem ser amenizadas com a Luz intensa pulsada ou através da carboxiterapia. Já a flacidez das pálpebras pode ser tratada com lasers ablativos, ultrassom microfocado ou microagulhamento que geram um estímulo de colágeno e melhora do aspecto global.

O tratamento das olheiras também deve ser complementado em casa, através do uso de dermoscosméticos, cremes dermatológicos com efeito clareador, anti-bolsas, antifadiga, anti- -inflamatório, antiglicante, iluminador e preenchedor.

Procure sempre alimentar-se bem, se exercitar, beber bastante água e ter uma boa noite de sono. Lembre-se também de retirar a sua maquiagem antes de dormir, usar filtro solar e manter a hidratação da pele em dia.

Ver perfil

Matéria Por

Gabriela Diniz

Dermatologia

CRM/PB 7662 - CRM/PE 19496 RQE 4051 | João Pessoa

Deixar Comentário