O que é o câncer pancreático?

CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA

O que é o câncer pancreático?

O pâncreas é uma glândula do sistema digestivo e endócrino, medindo cerca de 12,5 cm, situada atrás do estômago, entre o intestino e o baço, sendo composta por três regiões: cabeça, que se encaixa no duodeno, o corpo e a cauda, que é a parte final.

Possui duas funções: produzir enzimas para digestão e metabolismo de nutrientes; e produção de hormônios, como a insulina e glucagon, os quais regulam a utilização dos açúcares.

Os sinais e sintomas de problemas no pâncreas são: dor abdominal, podendo iniciar de forma súbita e tornar- se mais forte e contínua no centro do abdômen, dor nas costas, olhos amarelados, diarreia com gordura nas fezes, náuseas e vômitos.

O câncer de pâncreas começa quando as células anormais dentro do pâncreas crescem fora de controle e formam um tumor. Mais de 95% são tumores exócrinos que começam nas células que produzem enzimas, sendo os adenocarcinomas. Mas há outros tipos, como: os tumores neuroendócrinos pancreáticos que representam menos de 5% e crescem mais lentamente

Estima-se que em 2020, 480 mil novos casos de câncer de pâncreas serão diagnosticados globalmente, com taxa de sobrevida muito baixa, sendo o único, em cinco anos, com um dígito (2 a 9%). Diariamente, 1.250 pessoas serão diagnosticados e 1.180 morrerão no mundo, segundo a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer.

Os pacientes são assintomáticos nos estágios iniciais, dificultando o diagnóstico precoce, sendo o diagnóstico possível a partir de achados de exames solicitados com outras hipóteses. Os sintomas são vagos e inconstantes, variando para cada pessoa, sendo estes: dor abdominal, perda de peso inexplicável, pele ou olhos amarelos, mudança nas fezes, diabetes de início recente e problemas digestivos.

A causa, geralmente, é desconhecida, mas há fatores de risco como: história familiar de câncer, diabetes, pancreatite (crônica ou hereditária), tabagismo, etnia, idade e obesidade. Algumas lesões encontradas em exames merecem atenção especial, sendo essas: dilatação dos ductos, cistos complexos e lesões heterogêneas, que algumas vezes, são pré neoplásicas e necessitarão de observação ou cirurgia.

O tratamento varia com o estágio do câncer e da saúde do paciente, onde, dependendo do estágio do tumor, faz – se a quimioterapia antes de operar e em outras situações, faz – se a quimioterapia ou radioterapia depois de operar.

As operações são procedimentos que removem a cabeça do pâncreas e outros órgãos, ou removem o corpo e a cauda e dificilmente retira-se todo o pâncreas. São grandes cirugias com riscos de complicações, como, fístulas ou diabetes, mas que podem ser feitas por métodos pouco invasivos. Entretanto na maioria, em virtude do diagnóstico tardio, será possível apenas procedimentos paliativos, para melhora da qualidade de vida e alivio dos sintomas.

Todos os sinais ou sintomas apresentados aqui, podem ter várias outras causas, pois são semelhantes de outras patologias, mas se são regulares, persistentes, progressivos e não normais para você, não os ignore, converse com um especialista o mais rápido possível e faça referência ao câncer de pâncreas. Se um amigo ou membro da sua família tiver algum destes sintomas, diga-lhes para fazer o mesmo.

Em 15 de novembro de 2018, as pessoas em todo o mundo se unirão para exigir melhoria na luta contra o câncer mais difícil do mundo, no Dia Mundial do Câncer Pancreático. Através deste esforço combinado, traz-se uma maior atenção, consciência e melhores resultados para esta doença mortal. Se o câncer de pâncreas é encontrado cedo, é mais tratável, então visitar o seu médico pode salvar sua vida.

Ver perfil

Matéria Por

Marcelo Gonçalves Sousa

Cirurgia do Aparelho Digestivo

CRM/PB 5438 | RQE 3477 | RQE 3478 | João Pessoa

Deixar Comentário

Outras matérias desse profissional