Quero me alimentar melhor, mas por onde começo?

NUTRIÇÃO

Quero me alimentar melhor, mas por onde começo?

Já é sabido que dietas restritivas não geram mudança de comportamento duradoura, e que ao fim de cada uma destas dietas volta-se aos antigos hábitos, afinal, as pessoas não reaprendem a comer. O processo de Reeducação Alimentar é a mudança na forma como a pessoa se alimenta, através da aprendizagem por meio de orientações nutricionais específicas onde o indivíduo conhece e introduz novos hábitos alimentares. Envolve o como, o que, onde, com quem e porque se come. No sentido de “o que” se come, a Reeducação Alimentar circunda a substituição de alimentos nocivos à saúde, processados, ricos em gordura, sódio e açúcar, por alimentos in natura, repletos de nutrientes, vitaminas e minerais. Para que este processo seja duradouro, a troca de velhos hábitos por novos é necessária. A começar pela organização, através da compra de alimentos saudáveis com frequência. Para facilitar esta tarefa, segue aqui uma lista de dicas e alimentos que garantem variedade e qualidade na alimentação:

• Troque a farinha de trigo refinada por: farinha de coco, farinha de arroz integral, farelo de aveia, farinha de linhaça, fécula de batata, farinha de grão de bico, farinha de banana verde, quinoa, amaranto, semente de abóbora, semente de girassol, etc.

• Escolha alimentos que fornecem vitaminas e minerais para lanches entre as refeições: castanhas (Castanha do pará, castanha de caju, amêndoa, amendoim, nozes, macadâmia, etc) e Frutas desidratadas (Damasco, ameixa, uva passa, tâmara, etc).

• Substitua o açúcar refinado e bebidas açucaradas por alimentos naturalmente doces: banana, morango, mamão, abacaxi, melão, melancia, ameixa, laranja, maçã, pêra, cacau, canela, baunilha, mel, etc.

• Troque o uso de temperos prontos e excesso de sal por temperos naturais: alho, cebola, salsinha, açafrão, pimenta, cominho, manjericão, alecrim, orégano, louro, noz moscada, cravo da índia, suco de limão, páprica, etc.

• Melhore a qualidade das proteínas consumidas: peixes, ovos caipira, carne de frango, boi e porco (preferência orgânicas), feijão, lentilha, grão de bico, ervilha, etc.

• Consuma boas fontes de gordura: azeite de oliva extra virgem, óleo de coco, abacate, óleo de linhaça, etc.

• Aumente a ingestão de legumes/ vegetais e tubérculos: abobrinha, abóbora, alface, couve flor, beterraba, cenoura, aipim, batata doce, berinjela, brócolis, rabanete, repolho, rúcula, tomate, pepino, etc.

Por se tratar de um processo de aprendizagem, ao final do acompanhamento o paciente saberá fazer escolhas saudáveais por conta própria, sem deixar de incluir o que faz parte da sua própria cultura. Para mudar seus hábitos alimentares, procure o acompanhamento de um profissional nutricionista.

Ver perfil

Matéria Por

SÂMIA ABREU LEUTPRECHT

Nutricionista

CRN10-7015P | Jaraguá do Sul

Deixar Comentário