O sonho de ser mãe através da Reprodução Assisitida

GINECOLOGIA

O sonho de ser mãe através da Reprodução Assisitida

‘’A infertlidade é um problema mais comum do que se imagina atingindo cerca de 15 a 20% dos casais. Cerca de 30% dos casos, a infertilidade é atribuída a problemas femininos, 30% a alterações exclusivas do homem e em quase 40% a associação de ambos’’.

Quanto tempo uma mulher pode esperar para ter filhos?

Diversos problemas podem prejudicar a capacidade reprodutiva do casal, entretanto nenhum é tão ameaçador à fertilidade quanto a idade da mulher. As chances de engravidar diminuem conforme a idade avança, porque a mulher possui um relógio biológico responsável pelo declínio gradual da quantidade e qualidade dos óvulos, que se acentua muito após os 35 anos. Para se ter uma ideia, a probabilidade de engravidar espontaneamente entre 35 e 39 anos é 50% menor do que entre 30 e 34 anos.

Quando procurar um especialista?

Todo casal que não consiga engravidar no período de um ano de tentativa deve procurar um especialista para iniciar uma investigação, entretanto, em determinadas situações, como idade da mulher acima de 35 anos, ou quando houver alguma condição já conhecida que possa causar infertilidade, como endometriose, ovários policísticos, cirurgias ovarianas e tabárias prévias, deve procurar um especialista antes. Mulheres saudáveis, com 36 anos ou mais, devem tentar engravidar num período de 6 meses. Mulheres acima de 40 anos devem procurar o especialista o mais cedo possível para uma investigação.

Quais as principais causas de infertilidade?

Na mulher, podemos citar disfunções hormonais, obstruções tubárias, endometriose, ovários policísticos, inflamações pélvicas, tumores uterinos, abortamentos de repetição, idade avançada, falência ovariana precoce, entre outros. Nos homens, a diminuição da quantidade, vitalidade e forma dos espermatozoides são responsáveis por 90% dos casos de infertilidade. Diversos fatores podem ocasionar a baixa ou até mesmo ausência total de espermatozoides, como infecções e inflamações, varicocele, tumores, uso de medicamentos, vasectomia, distúrbios genéticos hormonais e imunológicos. Em 5 a 10% dos casais não se consegue descobrir nenhuma causa específica de insucesso para engravidar. São os casos chamados de infertilidade sem causa aparente.

Avanços tecnológicos e o tratamento da infertilidade

Alguns problemas de infertilidade podem ser tratados com sucesso por meio de procedimentos simples, como medicamentos hormonais, antibióticos, pequenas cirurgias e coito programado. Porém, em casos mais difíceis ou de insucesso, as técnicas de reprodução assistida, conhecidas como inseminação artitifical e fertilização In Vitro, são a melhores alternativas para engravidar.

Qual a diferença entre inseminação artificial e fertilização In Vitro?

A inseminação artificial ou intrauterina é um procedimento mais simples, indicado, preferencialmente, em mulheres mais jovens, com problemas ovulatórios ou masculinos leves. A mulher é submetida a uma estimulação ovariana, sob controle seriado de exames de ultrassom para identificar o momento ideal da ovulação. Realiza-se o processamento de capacitação de sêmen, permitindo a seleção dos melhores espermatozoides e através de um cateter delicado, o semen é colocado dentro do útero. A fertilização IN VITRO é o procedimento de maior eficácia, popularmente conhecido como ‘’bebê de proveta’’ em que o óvulo é fertilizado no laboratório e posteriormente o embrião é transferido para o útero. Atualmente, a técnica de fertilização In Vitro mais utilizada é a injeção Intracitoplasmatica do espermatozoide (ICSI), que consiste na injeção de um único espermatozoide dentro do óvulo por meio de um sofisticado equipamento de micromanipulação e microscópio de alta resolução. Devido a excelentes taxas de fertilização, a técnica ICSIS pode ser indicada em quase todos os casos de infertilidade. Mesmo pacientes com azoospermia, ou seja, ausência total de espermatozoides, podem conseguir gravidez, utilizando-se de espermatozoides obtidos diretamente do testículo.

Gravidez Tardia: Congelamento de ovúlos

Nos últimos anos, o desenvolvimento da inovadora técnica denominada vitrificação abre novas perspectivas para driblar o relógio biológico e preservar a fertilidade feminina, com resultados promissores. Não existe uma idade específica para utilização dessa técnica, porém a idade em que a mulher decide congelar os óvulos é primordial para o sucesso do tratamento, portanto, antes dos 35 anos, se obtém os melhores resultados.

Ver perfil

Matéria Por

Kazue Harada Ribeiro

Ginecologia e Obstetrícia

CRM/SC 2035 | RQE 301 RQE 9014 | 300 | Florianópolis

Ver perfil

Matéria Por

Mila Harada Ribeiro Cerqueira

Ginecologia e Obstetrícia

CRM/SC 15255 | RQE 7600 | Florianópolis

Deixar Comentário