A psicoterapia com Crianças e Adolescentes

A psicoterapia com Crianças e Adolescentes

Infância e adolescência caracterizam-se por mudanças e experiências desconhecidas. Nessas fases, não é incomum que surjam problemas de comportamento em diversas áreas que trazem sofrimento à crianças e jovens, levando à necessidade da busca por ajuda especializada.

Na maior parte das vezes, a criança e o adolescente não sabem expressar seus sentimentos e podem demonstrar suas angústias através de comportamentos, como ser agressivo, ter manias, se recusar a dormir sozinho, não conseguir se concentrar na escola, se isolar, entre outros. A psicoterapia tem a finalidade de melhorar a qualidade de vida, proporcionando uma infância ou adolescência feliz e saudável.

Variadas demandas podem levar à procura deste tratamento e as queixas mais frequentes podem ser divididas em dois subtipos: externalizantes – oposição, agressão, hiperatividade, impulsividade, desafio – e internalizantes – depressão, retraimento, medo, ansiedade. A busca por psicoterapia é mais comum diante de dificuldades externalizantes, já que estas são mais facilmente percebidas e representam um incômodo ao entorno social. No entanto, os problemas internalizantes merecem a mesma atenção, pois podem levar a elevados graus de sofrimento.

Poucos jovens procuram ajuda por si próprios, sendo mais comum que pais, cuidadores ou profissionais como médicos e professores percebam que há algo errado e realizem o encaminhamento para o tratamento. Alguns pais optam por não buscar auxílio por julgarem que a criança ou o adolescente são muito novos ou que ainda não estão preparados para a psicoterapia. É importante lembrar que essa fase é um momento muito propício para a realização desse tipo de tratamento, já que os jovens aprendem facilmente, favorecendo mudanças. Além disso, vale destacar que o psicólogo utiliza recursos lúdicos, como jogos, brincadeiras, livros, desenhos, que tornam o processo mais interessante e a linguagem mais acessível.

A participação de pais ou responsáveis é essencial na psicoterapia infantojuvenil. É normal que a primeira sessão seja realizada com estes, com o objetivo de conhecer a criança ou adolescente e suas dificuldades. Para isso, o psicólogo pode se utilizar de entrevista, inventários, entre outros. Os pais serão requisitados a comparecerem em outras sessões, quando serão discutidas as análises do terapeuta e serão realizadas orientações de diferentes estratégias que podem ser colocadas em prática para melhorar os problemas infantojuvenis. Vale lembrar que criança e adolescente estão protegidos por sigilo e só são discutidos com os pais conteúdos previamente acordados com eles.

Ao constatar a necessidade de ajuda, os responsáveis podem procurar um profissional de confiança, que deve estar inscrito no Conselho de Psicologia. Normalmente, é realizada uma sessão por semana com duração de 50 minutos e o tratamento pode ser iniciado com o consentimento de um dos pais.

Ver perfil

Matéria Por

MARIANA DE TOLEDO CHAGAS

Psicólogo

CRP 06/130355 | Araçatuba

Deixar Comentário