A Doula no Parto Humanizado

A Doula no Parto Humanizado

O suporte próximo e contínuo oferecido por uma Doula exerce um papel essencial no sentido de humanizar a assistência às gestantes durante o período perinatal. Busquei esta formação a partir do nascimento dos meus filhos, quando percebi o impacto desta profissional para tornar os nascimentos mais seguros, amorosos, respeitosos e pacíficos.

Poder atuar com as famílias desde a vida intrauterina, de forma ampliada, é um imenso privilégio que esta nova função agregou ao meu trabalho; o qual representa, sob todas as nuances, a promoção de saúde e qualidade de vida através da proteção da primeira infância.

O que significa “doula”

A palavra “doula” vem do grego “mulher que serve”. Nos dias de hoje, aplica-se às mulheres que dão suporte físico e emocional a outras mulheres antes, durante e após o parto.

O que a doula faz?

Antes do parto, ela orienta o casal sobre as alternativas e o que esperar do parto e pós-parto. Explica os procedimentos comuns e ajuda a mulher a se preparar, física e emocionalmente para o parto e puerpério, das mais variadas formas.

Durante o parto, a doula funciona como uma interface entre a equipe de atendimento e o casal. Ela explica os complicados termos médicos e os procedimentos hospitalares e atenua a eventual frieza da equipe de atendimento num dos momentos mais vulneráveis de sua vida. Ela ajuda a parturiente a encontrar posições mais confortáveis para o trabalho de parto e parto, mostra formas eficientes de respiração e propõe medidas naturais que podem aliviar as dores, como banhos, massagens, relaxamento, posturas, aromaterapia, etc..

Após o parto, ela faz visitas à nova família, oferecendo apoio para o período de pós-parto, especialmente em relação à amamentação e cuidados com o bebê.

A doula não substitui o pai (ou o acompanhante escolhido pela mulher) durante o trabalho de parto, muito pelo contrário. O pai, muitas vezes, não sabe bem como se comportar naquele momento. Não sabe exatamente o que está acontecendo, preocupa-se com a mulher e com o bebê, acaba esquecendo de si próprio. Não sabe necessariamente que tipo de carinho ou massagem a mulher está precisando nessa ou naquela fase do trabalho de parto.

Eventualmente, o pai sente-se embaraçado ao demonstrar suas emoções, com medo que isso atrapalhe sua companheira. A doula vai ajudá- lo a confortar a mulher, vai mostrar os melhores pontos de massagem, vai sugerir formas de prestar apoio à mulher na hora da expulsão, já que muitas posições ficam mais confortáveis se houver um suporte físico.

O que a doula não faz?

A doula não executa qualquer procedimento médico, não faz exames, não cuida da saúde do recém-nascido. Ela não substitui qualquer dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto. Também não é sua função discutir procedimentos com a equipe ou questionar decisões.

Vantagens:

As pesquisas têm mostrado que a atuação da doula no parto pode:

• Reduzir em 25% a duração do trabalho de parto;
• Reduzir em 60% os pedidos de analgesia peridural;
• Reduzir em 30% o uso de analgesia peridural;
• Reduzir em 40% o uso de ocitocina;
• Reduzir em 40% o uso de fórceps.

O suporte contínuo durante o parto oferecido por acompanhante capacitada, acima de tudo, melhora a satisfação com a experiência de parto.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) incentiva o apoio da doula no parto:

“O apoio físico e empático contínuo oferecido por uma única pessoa durante o trabalho de parto traz muitos benefícios, incluindo um trabalho de parto mais curto, um volume significativamente menor de medicações e analgesia epidural, menos escores de Apgar abaixo de 7 e menos partos operatórios.”

Revisão da Biblioteca Cochrane, 2010, conclui que:

“Todas as mulheres devem receber o apoio de um acompanhante especialmente capacitado durante o trabalho de parto e parto”.

O Ministério da Saúde recomenda o suporte da Doula

“O apoio da doula, além de melhorar a vivência experimentada pelas mulheres que dão à luz, parece ter uma influência direta e positiva sobre a saúde das mulheres e dos recém-nascidos. Deve, portanto, ser estimuladas em todas as situações possíveis.”

Outros estudos também mostram claramente que a presença da doula traz benefícios de ordem emocional e psicológica para mãe e bebê, incluindo resultados positivos nas 4ª a 8ª semanas após o parto:

• Aumento no sucesso da amamentação;
• Interação satisfatória entre mãe e bebê;
• Satisfação com a experiência do parto;
• Redução da incidência de depressão pós-parto;
• Diminuição nos estados de ansiedade e baixa autoestima.

“Estou aqui para lhe lembrar de você mesma. Sim, você mesma! Aquela que vai nascer, renascer! Das suas escolhas, do seu percurso, das suas conquistas, do seu poder, da sua vontade. Sou seu espelho, quero só que me olhe nos olhos para ver a si mesma. Porque eu acredito em você!

Com amor, sua Doula.”

Paula Liberati

Eu sempre soube que queria parto normal, por vários motivos. É melhor tanto para mãe quanto para o bebê e também para sociedade (assistam ao documentário “O Renascimento do Parto”). Mas, quando falamos do parto normal, o que mais ouvimos é: “nossa, você é corajosa!”. Pois é, dá medo. Por isso é muito importante nos cercarmos de apoio, com uma equipe de confiança. Foi o que fiz. Tive um obstetra que respeitou meu tempo (41 semanas e 3 dias) para parir sem nenhuma intervenção. Tive uma acupunturista, que preparou meu corpo antes e durante o TP e, através de suas agulhas, acelerou a dilatação, amenizou a dor, entre outras coisas. Tive uma doula, a qual me encheu de informação, dando-me tranquilidade para seguir minha escolha. Lembro-me que, logo que chegamos ao hospital, ela me perguntou se eu estava com medo. E não estava, porque além de ter me preparado, me entreguei ao momento indo passo a passo, e o mais importante: eu tinha essas duas mulheres ao meu lado, trabalhando comigo. Sei que por ter doula e acupuntura, consegui parir como sonhei. Parir é lidar com nossos medos e sombras, descobrir até onde conseguimos chegar, transcender. É morrer para renascer, forte. Fiz meu rito de passagem. Parir sentindo tudo, sem anestesia, foi a maior emoção da minha vida. É a natureza mostrando para nós mulheres que somos poderosas. Antes de se decidir por cesárea por medo, procure uma doula. Ela te encherá de informação, de amor e segurança. Procure uma acupunturista para preparar seu corpo para este momento. Certifique- se! Sinta segurança no seu médico. Eles serão seus condutores na escuridão que é o trabalho de parto, em busca da luz. Depois deste parto, sei que sou capaz de tudo e sou eternamente grata a esses três profissionais. Recomendo muito o parto humanizado.

Ver perfil

Matéria Por

ANDRÉIA STANKIEWICZ

Odontologia

CRO/SP 93816 | Araçatuba

Deixar Comentário