Varizes solução sem cirurgia

Varizes solução sem cirurgia

Pernas cansadas, sensação de peso, dores e queimação podem ser sintomas de varizes. Muitas pessoas acreditam que se trata apenas de uma questão estética quando, na verdade, é uma doença crônica, que afeta aproximadamente 70% da população brasileira. Mas, uma nova técnica promete acabar com este problema. E o melhor, com menor desconforto e resultados mais rápidos.

A técnica Clacs (Cryolaser e Cryo escleroterapia) é a nova aliada de combate às varizes que combina laser, escleroterapia, realidade aumentada e jatos de ar gelado na pele. Na prática, se reduzem as repetidas agulhadas e se consegue tratar às varizes bem mais rápido. É indicada para tratar desde casos mais severos até aqueles vasinhos mais finos e superficiais, chamados telangiectasias. Pode ser aplicada em todo o corpo, desde as pernas até a face, sendo que na última são realizados apenas laser e jatos de ar gelado.

As varizes são veias tortuosas e dilatadas e que pioram progressivamente, e quando não tratadas corretamente podem causar diversas complicações, como manchas na pele, queda de pelos na perna (homens) e, por fim, úlceras (feridas). É quando as veias das pernas se tornam incapazes de bombear um volume suficiente de sangue de volta ao coração. A maior incidência é no sexo feminino: de 2,5 a 3,0 casos de mulheres com varizes para cada homem. Fator hereditário, gestação, reposição hormonal, anticoncepcionais, antecedente de trombose venosa e obesidade podem contribuir para seu aparecimento.

O tratamento com a Clacs começa com o mapeamento das veias por realidade aumentada e resfriamento da pele a uma temperatura de até –20º C, com jatos de ar frio, que ajudam a diminuir a dor no local das aplicações. Em seguida, usamos o laser (Etherea Nd:Yag 1064 nm), que emite pulsos de luz que atravessam as camadas mais superficiais da pele e alcançam os vasos, provocando seu fechamento sem causar danos ao tecido cutâneo. E por fim, complementa-se com aplicação de glicose hipertônica, amplificando o resultado e diminuindo o número de sessões necessárias para se alcançar o objetivo desejado. A grande vantagem é o menor tempo de duração do tratamento, além de uma recuperação mais rápida.

E aqueles casos em que o paciente realmente precise da cirurgia, podemos optar pelo laser endovenoso, técnica em que se punciona a veia guiado por ultrassom, e introduz- se um cateter de fibra ótica que emite um pulso de laser, que culmina na oclusão da veia. Por ser minimamente invasiva, essa técnica permite a volta ao trabalho, em média, de 02 a 03 dias após o procedimento, ao contrário dos 30 dias de uma cirurgia convencional.

Ver perfil

Matéria Por

Rodrigo Dafico

Cirurgia Endovascular

CRM/MS 8518 | RQE 4800 / 4801 | Dourados

Deixar Comentário