Bombinhas fazem mal para saúde?

Bombinhas fazem mal para saúde?

Uma das maiores preocupações dos pacientes que usam ou que necessitam usar medicações inalatórias através de “bombinhas” é se as mesmas causam algum dano à sua saúde.

Muitos pacientes se recusam a utilizá-las, temerosos de algum efeito adverso e problemas que possam vir a acontecer pelo seu uso regular e contínuo. Frequentemente os pacientes nos perguntam: “ É verdade que bombinha pode matar? É verdade que pode afetar o coração? Pode viciar?”. Quase sempre quando você as prescreve a um paciente, o mesmo o questiona de seguinte maneira: “ Mas vou ter que usar bombinha para sempre? Isso não me causará problemas?” A crença, amplamente disseminada, que as bombinhas causam problemas, no entanto, é um dos maiores mitos populares relacionados à saúde. Não é verdade, muito pelo contrário.

As “bombinhas” são dispositivos inalatórios, que contêm medicamentos que vão agir diretamente no pulmão, com a função de tratar diversas doenças pulmonares. Esses dispositivos permitem muitas vezes que a droga tenha uma ação direta no tecido pulmonar, agindo exatamente onde se encontra a doença e minimizando o contato dessas substâncias com o sangue e consequentemente os efeitos colaterais em outros órgãos. Portanto, ao invés de causarem danos, o uso de bombinhas protege o organismo do efeito adverso das medicações, permitindo que elas tenham uma ação direta e quase sempre exclusiva no pulmão.

Existem diversos tipos de dispositivos inalatórios, de diferentes formatos. A grande maioria deles contém duas classes de drogas: os broncodilatadores, que vão relaxar a musculatura do brônquio, causando dilatação do mesmo e melhora do fluxo de ar dentro do pulmão e os corticosteroides, anti-inflamatórios que vão agir na mucosa dos brônquios ocasionando redução da resposta inflamatória, também ajudando na melhora do fluxo de ar. As principais doenças em que os dispositivos inalatórios são utilizados são a Asma (bronquite) e a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, que compreende a bronquite crônica tabágica e o enfisema pulmonar. Essas medicações, agindo diretamente no pulmão, melhoram a sensação de falta de ar e chiado no peito, aumentam a tolerância aos esforços e a capacidade de exercício, com mínimos ou quase nenhum efeito colateral associado.

É evidente que, como contêm medicações, os dispositivos inalatórios não devem ser utilizadas sem a supervisão de um médico especializado que avaliará dentro do seu quadro clínico e da gravidade apresentada pela sua doença, a melhor opção de tratamento, além de fazer um acompanhamento regular da eficácia do tratamento. Portanto, não esqueçam: as bombinhas, quando bem utilizadas e indicadas, não fazem mal à saúde, não causam danos em outros órgãos e também não viciam. Tudo isso é mito. Elas ajudam muito no tratamento de doenças pulmonares, causam poucos efeitos adversos e podem ser utilizadas com muita segurança.

Ver perfil

Matéria Por

LUIS RENATO ALVES

Pneumologia

CRM/SP 122.744 | RQE 35330 | Ribeirão Preto

Deixar Comentário