A Criança Respiradora Bucal

ODONTOLOGIA

A Criança Respiradora Bucal

“Respirar é viver. Se a criança respira mal, ela vive mal.” (Dra. Gabriela Dorothy de Carvalho)

O processo da respiração é complexo, porém, para que a respiração seja normal e eficiente, o bom funcionamento do nariz é essencial. Quando inspiramos, o ar é filtrado, aquecido e umidificado nas cavidades nasais, contudo, mais de 60% das crianças não respira bem pelo nariz e apresenta um quadro chamado de respiração bucal. Essa situação não é normal e pode acarretar vários problemas para a criança. O desmame precoce e o uso de bicos artificiais na primeira infância (principalmente chupetas e mamadeiras) costumam determinar desequilíbrios de crescimento e desenvolvimento que alteram a anatomia e fisiologia do sistema estomatognático, predispondo à respiração bucal.

A amamentação constitui a prevenção primária no estabelecimento e manutenção da via nasal de respiração. As crianças respiradoras bucais, em geral, não dormem bem, a troca do oxigênio durante a noite pode ser comprometida, o que representa um risco para o desenvolvimento geral e do cérebro. A má respiração causa dores de cabeça, distúrbios do sono, como bruxismo, roncos e interrupções prolongadas do ato de respirar (apneia). O comportamento, a concentração e o aprendizado sofrem prejuízos. O olfato pode se alterar, levar à perda do sabor do alimento e provocar, ainda, dificuldades para mastigar e engolir.

As patologias respiratórias costumam ser recorrentes (otite, rinite, amigdalite, sinusite...); bem como dificuldades de controle de urina durante a noite, alterações nas arcadas dentárias e nos dentes, comprometimento funcional e estético orofacial, problemas posturais e na fala. Nesses casos, é necessária uma avaliação cuidadosa da criança, em um contexto de atenção multidisciplinar. Por vezes, encontramos mais de uma consequência envolvida. Por isso, é importante um diagnóstico adequado para garantir o sucesso do tratamento, o qual trará melhor qualidade de vida e benefícios para a saúde global da criança e do adolescente.

A odontopediatria funcional, através de aparelhos ortopédicos que podem ser utilizados, desde os primeiros anos de vida, ajuda a redimensionar as arcadas dentárias, despertar os circuitos neuromusculares alterados e estimular as funções corretas da boca, favorecendo todo o sistema estomatognático e especialmente a respiração.

Fique atento se a criança:
1. Fica de boca aberta por muito tempo, principalmente ao dormir;
2. Ronca e baba muito durante o sono;
3. Apresenta alterações de comportamento, como: sono agitado e irritabilidade;
4. Tem olheiras e aspecto cansado;
5. Ingere o alimento com muito líquido;
6. Tem preferência por alimentos pastosos;
7. Possui respiração barulhenta;
8. Apresenta a boca ressecada e a gengiva vermelha e inchada;
9. Tem doenças respiratórias de repetição;
10. Cabeça, ombros e braços projetados para frente, cai com frequência;
11. Dificuldade de concentração;
12. Baixo rendimento escolar e baixa aptidão esportiva.

Ver perfil

Matéria Por

ANDRÉIA STANKIEWICZ

Odontologia

CRO/SP 93816 | Araçatuba

Deixar Comentário

Outras matérias desse profissional